RSS
Twitter
WhatsApp do Portal AZ86 9981.8563

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Busca
publicidade

Uma tremenda responsabilidade

23/11/2014

Não custa bater na mesma tecla, insistir naquilo que se imagina, deve acontecer. O governo que se inicia traz a expectativa positiva de que mudanças profundas ocorrerão, especialmente no modelo de gestão, que deverá deixar de seguir os padrões do compadrio e de cumplicidade com os desmandos históricos, tornando-se uma administração operosa, eficiente, produtiva e transparente. Ainda uma hipótese, existem, entretanto, sinais claros de que o governador eleito Wellington Dias acrescentará um rígido padrão de moralidade à sua experiência administrativa, enriquecendo seu governo com nomes acima de qualquer suspeita, desfazendo antigos cartéis e agindo com pudor e respeito com os recursos públicos. Não se diga que o simples retorno de Wellington seja a garantia de uma boa administração, até porque as nuvens são bastante cinzentas, mas o governador carrega uma carga de grande responsabilidade de que possa cumprir as principais promessas e compromissos de campanha, do fazer diferente, de fugir dos acordos partidários espúrios. Afinal, ele foi eleito pelo povo. A coligação partidária foi apenas uma formalidade exigida pela legislação eleitoral. As ilhas de prosperidade de alguns segmentos da política, que enriqueceram famílias, sangraram os cofres públicos, tornam explícita a corrupção em órgão que eram capitanias hereditárias dos paridos que vão ficar na oposição, precisam ser desfeitas, porque logo se associam a empresários inescrupulosos, que usam e abusam da barganha e do acerto ganancioso para alimentar suas castas impuras. Os segmentos mais visíveis desses procedimentos nada republicanos, para citar os ruidosos e emblemáticos, são as obras, locação de mão-de-obra e de veículos. De governo após governo, Ninguém ousou avançar além da troca dos atores e personagens, de modo a alimentar a máxima 'trocam-se os cães, mas as coleiras são as mesmas. Mas, existindo vontade e determinação política, o governo pode e deve intervir para extirpar esse câncer que agrega a propina nos preços ajustados, tudo favorecendo a corrupção e o desatino. Para se ter uma ideia do tamanho do descalabro, os gastos de 100 milhões com terceirizados são uma afronta ao bom senso, além de uma forma de burlar a Lei de Responsabilidade Fiscal e a regra de ingresso no serviço público mediante concurso. Outros 60 milhões são torrados com locação de veículos, muitos deles desnecessários e dispensáveis. Essa é, sim, uma tremenda responsabilidade para Wellington Dias.













O governador eleito Wellington Dias e um visitante inesperado, Francisco Filho, que fez cobranças




















Inimigo

Já se viu que o maior inimigo de um petista é outro petista.
Tem um petista que ronda as redações usando todos os adjetivos que tem no seu pequeno receituário contra o próximo governo.
Azar dele que ninguém lhe dá ouvidos. Mas o cabra fala. E como fala.

Delação

Engraçado, só agora se está sabendo que na Operação Gangrena, da Polícia Federal, sobre o escândalo das licitações fraudulentas na Secretaria de Saúde do Piauí, em 2010, houve quem se prestasse, entre os investigados, para aceitar a delação premiada.
E o que foi dito é de deixar os envolvidos cortando arame, como se diz na gíria.

Eficiência
Está-se vendo que delação premiada é, sem dúvidas, um instituto de altíssima eficiência. O corrupto, com medo de arcar com toda a consequência, entrega os que foram beneficiados pela corrupção e, ainda conseguem reduzir sua própria pena.
Essa delação é coisa de italiano, surgiu para combater os mafiosos, passou pelo Piauí e agora faz escola no resto do país.

Velhas raposas

Quando o criminoso volta ao local do crime.
Tem antigos dirigentes de órgãos do governo do Estado, querendo reassumir os mesmos cargos que ocuparam em gestões passadas.
Se Wellington ceder a isso será o mesmo que colocar uma raposa cuidando do galinheiro.

Onde é
E olhe que querem os mesmos órgãos onde pipocaram escândalos envolvendo desvios de fabulosas somas de recursos.
A Assembleia Legislativa está querendo resolver um desses escândalos transferindo a batata quente para o próximo governo.

Visita surpresa
O governador eleito Wellington Dias postou em seu perfil no Facebook, o que ele considerou inesperado: a visita (sexta-feira) de um garoto de oito anos que queria conhece-lo pessoalmente e pediu que o senador fizesse um bom governo, a partir de janeiro.

Sugestão
“Faça um ótimo governo, olhe para as crianças mais humildes que estudam em escolas públicas e melhore o ensino em nosso estado”, teria sugerido Francisco Vaz Filho, que, na hora, disse ter ido de camisa vermelha porque sabia que a cor agradaria ao petista.
Menino mala, taí.

Coisa estranha
O sindicalista Genésio da Costa Nunes denuncia – e quer saber para quem foi e para quê – saque de um cheque de R$ 40 mil do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Palmeirais.
Nada tão estranho não fosse o fato de o saque ter sido feito por uma pessoa logo após as eleições no sindicato.

Na mira
O prefeito de São Miguel do Tapuio, Lincoln é acusado de ter praticado crime contra a administração pública de 2001 a 2004. Se condenado, perde oito anos de direitos políticos e até um ano e meio de prisão.
Mas isso, em regra, é o que diz a letra da lei. E leis neste país, são como vacinas. Umas pegam, outras não.

Praga
Mas quem dá ouvidos a Eliane Moura, uma apaixonada, aguerrida, cabo eleitoral dos deputados Paes Landim e Janaina Marques, em Monsenhor Gil, vai ouvir dela que Lincoln está pagando pela traição a Landim.
E, na sua ótica, todos que prometeram e não votaram em Landim, também vão pagar caro.

No limbo
Eliane cita que, além de São Miguel do Tapuio, Landim foi trocado em Monsenhor Gil, em Nazaria, mas a sua alegria é que os candidatos dos ‘trairas’ foram todos derrotados.

Contas fechadas
O empresário Silvio Leite teve suas contas aprovadas pelo TCE, relativas à gestão na Secretaria de Turismo.
Pronto, se quiser – e o governador Wellington Dias, também – já pode voltar para Secretaria de Comunicação ou para a Setur.

Ping Pong

Pinturas apagadas

Uma professora levou sua turma para visitar o Parque Nacional Serra da Capivara. A primeira pergunta foi da própria professora, em tom de reclamação. -
O guia: “alguma pergunta?
A professora: “estas pinturas estão tão apagadinhas..”
O guia: “Mas é assim mesmo...”
A professora: “Por que vocês não as pintam?!... Dão uma clareada nelas”.


Colaboração: Marcos Damasceno

Expressas

O prefeito de Campo Maior, Paulo Martins, faz as contas e diz que, como candidato a presidente da APPM , já consolidou o apoio de 82 prefeitos na sua campanha.


O vereador Antônio José Lira assumirá a direção do DEM (Democratas) em Teresina. Alguém já ouviu falar do bloco do eu sozinho? Mas Toinzé segue firme.

O INSS fará, a partir de amanhã – até o dia cinco - os depósitos da segunda parcela do 13º salário para os segurados da Previdência Social. Juntamente com o pagamento da folha de novembro.

COMPARTILHE COM AMIGOS
portal az - Informação de Verdade
Todos os direitos reservados © 2000 - 2014