Um debate necessário

Em boa hora, o Instituto de Advogados Piauienses, presidido por Álvaro Mota, organiza em Teresina o Seminário Parcerias Público-Privadas e Concessões: perspectivas e possibilidades no Piauí, numa parceria com a Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo. Acontecerá amanhã durante todo o dia no Metropolitan Hotel. O evento é feito com apoio da Embaixada da Grã-Bretanha no Brasil. Num mundo em que o dinheiro está cada vez mais curto e no qual devem os administradores públicos ter a convicção de que todo dinheiro é limitado, sendo necessário investi-lo melhor, as parcerias e as concessões podem e devem ser levadas em consideração como alternativas inteligentes e viáveis de tornar mais eficientes os serviços e menos onerosas as obras públicas. Conforme, aliás, lembra o presidente do IAP, o seminário certamente será uma chance para que se ampliem as informações acerca de concessões e parcerias público-privadas, assim como será útil para que se lancem luzes em pontos de dúvidas ou desconhecimento sobre PPPs e concessões, já que os quatro painéis que comporão o seminário devem resultar no máximo de informações que possam ser repassadas no espaço de um dia. Esse dia é amanhã, entre as 8h30 e as 17 horas, quando estarão pauta a experiência da PPP no Brasil e Reino Unido; perspectivas e possibilidades para as PPP e Concessões no Governo do Estado e Prefeitura de Teresina, os principais desafios na modelagem jurídica em contratos de PPP e concessões.

Álvaro Mota, presidente do IAP: concessões e parcerias público-privadas em discussão
Álvaro Mota, presidente do IAP: concessões e parcerias público-privadas em discussão

Inauguração
Wellington Dias foi à Paraíba. Ontem, na cidade de Monteiro, participou de uma “inauguração” da transposição do Rio São Francisco. Lula esteve presente. A sucessora dele no Planalto, também esteve lá. O senador Lindbergh Farias, que tem raízes naquele Estado, foi o organizador da festa, que teve ainda Ciro Gomes (PDT) e o governador Ricardo Coutinho (PSB).

Justiça
Lula e o PT têm razão quando se queixam que o governo atual entrega a obra como se fossem somente dele os louros pela transposição – que como quase todas as grandes obras feitas nos últimos anos ficaram acima do preço.

Homenagem
Wellington Dias disse logo ao chegar para o ato, que deve também marcar o começo da campanha de Lula para voltar ao Planalto, que aquela era uma justa homenagem ao ex-presidente.

Cata ao voto
Enquanto Lula e Dilma “inauguravam a transposição”, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), corria atrás de voto em São Luís, participando de um evento esportivo que reúne os peladeiros da ilha.

Pisando em ovos
Lula precisará bem mais do que atos políticos com muitos caciques para se lançar ao mar revolto da disputa presidencial. Embora ele lidere as pesquisas de opinião, vai longe em que nadava de braçadas.

Dados ruins
Reportagem de O Globo, ontem, lembrava que em fevereiro de 2014, um mês antes de a Lava-Jato chegar às ruas, o petista tinha entre 51% e 54% no Datafolha. Sua rejeição era de apenas 17%. No final do ano passado, Lula se contentava com 25% das intenções de voto e uma rejeição de 44%.

Ledo engano
Robert Rios (PDT), a mais estridente voz da oposição a Wellington Dias (PT) preconiza que PMDB e PP estarão fora do palanque reeleitoral de sua excelência. Deveria olhar o passado recente para saber que pode morder a língua.

Sombra
O PMDB, se fosse uma planta, seria um cacaueiro. Só produz bem se estiver à sombra de árvores maiores. Para suas campanhas, a frondosa sombra governista é um bálsamo que salva os preciosos pescoços peemedebistas.

Progressistas
Sócio de primeira hora da aliança governista, o Partido Progressista, ao contrário do PMDB, costuma ter menos paciência em manter alianças. Ciro Nogueira abandonou o governo de Wilson Martins de mala e cuia em 2013. Não se sabe se fará o mesmo com Wellington, mas coragem e disposição para tanto não parecem faltar à legenda.

A prova
A mais recente evidência disso se deu no curto, ineficiente e eleitoralmente inviável governo Zé Filho. O PMDB ficou com ele e saiu do pleito maior que entrou, com a maior bancada de deputados estaduais na Assembleia Legislativa, duas vezes mais numerosa que a do vitorioso Wellington Dias.

Telefone do presidente
O ex-ministro João Henrique de Almeida Sousa (PMDB) tem bons motivos para seguir em frente na caravana pelo Piauí em defesa da candidatura própria. Antes da palestra em Parnaíba, na última sexta-feira, recebeu um telefonema do presidente Michel Temer, amigo pessoal de longas datas. O presidente queria saber como estava a organização e a expectativa para o evento. “Está melhor do que eu esperava”, foi a resposta de João Henrique”.

Ping Pong

A venda do apartamento

O humorista João Cláudio coloca um apartamento localizado em Teresina, à venda. Um comprador telefona.
O comprador: "Quanto é que custa o apartamento?"
João Cláudio: "Ele vale R$ 120 mil..."
O comprador: "Não vale isso tudo, não..."
João Cláudio: "Pois, então não compre. Quem dá preço às minhas coisas sou eu".
O comprador: "Eu posso olhar o apartamento de manhã?"
João Cláudio: "Não. De manhã eu estou dormindo..."
O comprador: "E à tarde?"
João Cláudio: "Não, porque à tarde não tem ninguém, eu estou trabalhando..."
O comprador: "E à noite?"
João Cláudio: "Não dá, porque à noite eu já estou cansado e não é hora de mostrar apartamento pra ninguém".

Originalmente publicado em 2 de julho de 2007.

Expressas

Um cidadão da cidade de Castelo, José Lima da Silva, ganhou ação de indenização contra o Bradesco.

Ontem, dia de São José, Teresina não registrou durante a manhã, pelo menos, chuva. Mesmo assim, com chuvas anteriores, o santo não é devedor deste milagre.

A proliferação de moscas em razão de fortes chuvas tem aumentado o número de casos de viroses na cidade.