Cadê o dinheiro?

É certo que com a queda nas receitas correntes oriundas de tributos estaduais e das transferências da União, sobra pouco ou quase nada para que o Estado do Piauí faça investimentos. Mas é também certo que desde 2012 estão autorizados financiamentos para o Estado do Piauí para investimentos que incluíam obras como a duplicação das BR-343 e 316 em seus trechos urbanos em Teresina. Ainda assim, o governo do Piauí abriu outras linhas de financiamento com o Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e agentes financeiros externos – Banco Mundial, Banco Interamericano de Desenvolvimento e o alemão KFW – para ampliar os investimentos estaduais, dada a impossibilidade de fazer obras com o excedente de receitas correntes não aplicadas nas despesas correntes de custeio. Ocorre é que o governo agora vai pedir mais um empréstimo, desta vez com um banco privado, possivelmente o Bradesco, alegando exatamente a falta de condições para investir. Ora, existe no orçamento deste ano previsão superior a R$ 1 bilhão resultante de empréstimos. Então, cabe perguntar: onde está este dinheiro? É improvável que seu destino tenha sido um impensável desvio de finalidade, como uso para cobrir despesas correntes. Mas admita-se que sim, que esse recurso terminou pulverizado nos gastos correntes. Então, estamos no pior dos mundos. Corremos o risco de voltar aos anos 80/90 do século passado, mais precisamente à quadra entre 1987 e 1991 (o segundo governo de Alberto Silva), quando o Estado se obrigava a ir a bancos privados pagando juros escorchantes para fazer frente à folha salarial. Espera-se que essa “albertização” da gestão Wellington Dias seja somente um vaticínio equivocado de quem fica bisbilhotando os números.

Wilson Martins diz que tem números melhores que Wellington Dias
Wilson Martins diz que tem números melhores que Wellington Dias

Homicídios
Wilson Martins (PSB) diz que durante seu governo (2010-2013) os números da violência no Piauí, medida pelo indicador de homicídios por 100 mil moradores, ficaram abaixo da média brasileira.

Bem pior
O ex-governador lembra ainda que o índice de 2015 (20,3 homicídios por 100 mil habitantes) é maior que o do último ano de efetivo exercício de mandato dele, em 2013, quando a taxa foi de 18,8.

Crescendo
Afirma ainda o ex-governador, com base em dados extraoficiais, que o número de homicídios por 100 mil moradores em 2016 é maior que o registrado em 2015. Assim sendo, ele lembra, os dados de violência do terceiro governo Wellington Dias são piores que os de seu mandato.

Academia
Ocorreu no sábado passado a eleição para escolha do ocupante da cadeira ocupada pelo desembargador Paulo Freitas, falecido recentemente.
Apesar até de acadêmico ter quebrado o sigilo do voto, como fez Magno Pires, revelando que votaria em Natan Souza, a eleição obteve o quórum regimental.

Páreo duro
O novo escrutínio está previsto no início de julho com apenas os dois mais votados, que são Natan (que obteve 12 votos) e o médico Itamar Abreu Costa (10 votos).
Especula-se que desta vez, Itamar leva. Afinal, esta é a terceira vez que concorre e a APL costuma escolher os que insistem tanto.

Procura-se
O River anda a procura de um presidente. Depois do anúncio de Eliseu Aguiar deixando o comando do Galo Carijó, busca-se um nome que agrade torcida e cartolas.
Já foram sondados João Vicente Claudino e Valdeci Cavalcante.

Escolha
O que se soube é que JVC até aceitaria ser vice-presidente do River, nada mais. Para não ser atrapalhado no seu projeto de disputa de cargo majoritário em 2018. Por enquanto, o empresário ensaia uma volta ao Senado.

Aliás
Quem não apenas é candidato como já se articula para garantir apoio é Wilson Martins. O ex-governador encomendou pesquisas, ensaia um discurso utilitarista para desancar os adversários e tem a seu favor, vejam só, uma má avaliação dos eleitores em relação ao Véin Trabalhador, vulgo Elmano Ferrer (PMDB).

Pouco resultado
Se o assunto é o senador Elmano, resta uma pergunta a ser feita: em que ele ampliou seu prestígio trocando o PTB pelo PMDB? Acredita-se, em nada.
Até hoje, Temer, seu novo companheiro de partido, não assinou uma mísera ordem de serviço para algum investimento digno de nota solicitado por Elmano.

Coisa feia
Pega muito mal para o governador Flávio Dino essa denúncia de desvio de recursos na área da saúde. As denúncias feitas pelo programa Fantástico, da Rede Globo, mostram como é fácil se roubar no governo de Dino.

Mais feia ainda
Isso é porque o repórter secreto Eduardo  Faustine não fez qualquer citação das licitações ganhas pela Distrimed, que aqui no Piauí foi investigada pela Polícia Federal e lá no governo de Dino ganha todas.

Vacina
A Secretaria de Saúde do Piauí liberou a vacina contra gripe para toda população. Mas lembrando que a vacinação só vai até dura o estoque. Vai levar quem chegar primeiro, portanto.

Revolta
Elba Ramalho anda revoltada  com a presença em massa de cantores sertanejos nas festas juninas. Ela avisou que São João não é festa do peão”, afirmou.
Agora vamos ver se ela será ouvida. 

Ping Pong

Liso e Eliseu

O ano é 2003. Eleitora que reside em Brasília há vários anos, encontra os deputados federais Paes Landim e Afonso Gil, conversando no ‘Cafezinho da Câmara’. Em encontros anteriores, ela pedia e os dois sempre alegavam estarem sem dinheiro. A eleitora aborda, então, Paes Landim.
A eleitora: "O senhor é parente do deputado Gil?"
Landim: "Sou não, por quê?"
A eleitora: "Porque só andam lisos!"

Expressas

Parnaíba está bem cuidada, limpa, mas com um trânsito que é de matar de raiva, tal a desorganização.

Mas o problema do trânsito não pode ser debitado na conta do prefeito Mão Santa somente.

Trânsito ruim, em geral, resulta também da má educação de motoristas que acham que tudo podem fazer.