A realpolitik e nós

Existem dois mundos na política: o da militância e o real. No primeiro, vive-se um ambiente diversionista para manter a tropa animada. No segundo, despem-se de visões fundamentalistas, porque quem realmente conta costura acordos ou faz concessões dentro de critérios bastante práticos, onde mais vale o cálculo que a ideologia. Está-se vendo isso com a clareza da água no Brasil, mas é preciso querer ver a “realpolitik” para enxergar o que de fato ocorre. Os tucanos mantêm o apoio a Temer e este pressiona a Câmara para rejeitar o pedido da Procuradoria Geral da República para processá-lo, além de seguir com projetos de reforma nada populares e contra os quais se insurge o PT desapeado no poder. É neste cenário que, mais uma vez, se percebe em ação a “realpolitik” e não o discurso de animação de plateias militantes. Tome-se o exemplo do Piauí. Circula informação de que o governador Wellington Dias (PT) deu carta branca para que o senador Ciro Nogueira (PP) negocie dois votos do PT em favor do Temer. A conta é simples: Temer precisa barrar o pedido da PGR e avançar na reforma da Previdência. Wellington precisa de recursos para evitar que o déficit fiscal no Estado se amplie a ponto de ameaçar salários de servidores e atrasar ainda mais obras que podem pavimentar sua reeleição. Assim, ele manteria na Câmara os suplentes de Rejane Dias (PT) e Fábio Abreu (PTB), José Maia Filho (PP) e Silas (Podemos), que votam alinhados com a base aliada do presidente.

Ciro Nogueira tem carta branca para cabalar votos piauienses na bancada a favor de Temer
Ciro Nogueira tem carta branca para cabalar votos piauienses na bancada a favor de Temer

Voto contra
O secretário estadual de Segurança, Fabio Abreu, está disposto a deixar o cargo, voltar a Brasília e votar contra a reforma da Previdência. Como se informa em bastidores, Wellington Dias garantiria o voto de suplentes à proposta. Um desses votos seria justamente o do deputado do PTB.

Contramão
Há quem diga que Abreu desejaria menos votar contra a reforma e mais impedir que o suplente Silas Freire (Podemos) exerça esse direito de voto. Ocorre é que Silas só volta a Teresina se também reassumir o mandato a secretária Rejane (Educação). Se apenas o secretário de Segurança voltar a Brasília, quem fica sem mandato é Maia Filho.

Revival
A convite de Ciro Nogueira (PP), Fernando Coelho Filho (Minas e Energia) virá a Teresina, mês que vem, para a retomada do Programa Luz para Todos, cuja conclusão deveria se dar em 2010, mas que desde então se arrasta no Estado.

Tamanho real
Haroldo Rocha é um dos mais talentosos artistas plásticos e gráficos do Piauí. Atendendo a pedido da Diocese de Campo Maior, fez uma escultura em fibra do papa Francisco, em tamanho real. A estátua do papa vai ser colocada na Igreja de Santo Antônio, a principal da terra dos carnaubais.

Calo
As pessoas estranham que Wellington Dias tenha ido ao encontro de Michel Temer e depois comparecido ao jantar que o presidente ofereceu aos governadores.
Para esse pessoal, convém lembrar o velho dito popular segundo o qual quem calça o sapato é que sabe onde o calo aperta.

Pires
Todos os governadores brasileiros, inclusive dos Estados mais ricos, fazem parte hoje de um único partido, o PPM – Partido do Pires na Mão. Temer sabe disso e usa a epidêmica insolvência dos governos estaduais a seu favor no jogo bruto para ficar no poder.

Carnificina
Na contagem de janeiro até quarta-feira, 13 de junho, 103 pessoas tinham morrido nas rodovias federais do Piauí. Um assombro, porque isso significa uma pessoa a cada 36 horas – um dia e meio. Os dados são da Polícia Rodoviária Federal.

Programa
Pra quem vai ficar em Teresina no feriadão, a agenda de domingo, dia 18, pode incluir ida à Praça da Bandeira, bem no centro. Lá vai acontecer a primeira edição do Passa na Praça, com muita brincadeira, arte, comida boa, música, serviços, oficinas de artesanato e mais meio mundo de coisa.

Sujeirada
Ontem, quem passou cedo na avenida Marechal Castelo Branco, em frente ao Shopping Poty, ficou impressionado com a quantidade de lixo. Resultado da má educação do público e da omissão dos organizadores de um evento junino que ocorre por lá.

Sem água
O Festival de Pedro II, que começou ontem e segue até domingo, também tenta vender o turismo de aventura na cidade. Mas isso é duro de fazer quando a chuva não ajuda. Pedro II não teve chuvas suficientes para manter a Cachoeira do Salto Liso tampouco para encher o açude Joana, principal fonte de abastecimento da cidade.

Cobertor curto
Átila Lira (PSB) quer ser mais realista que o rei e anuncia diante de jornalistas meio aparvalhados que o governo Temer foi o que mais mandou dinheiro para o Piauí. O diabo é que, ato contínuo, o deputado “socialista” explica o contingenciamento (congelamento, bloqueio) de metade dos valores de emendas impositivas dos congressistas do Piauí.

Aliás
Uma consulta ao site da Secretaria do Tesouro Nacional será suficiente para demonstrar que o governo Temer não anda liberando esse dinheiro todo para o Piauí. O que há mesmo é muita conversa e pouca ação.

Ping Pong

O trote ‘Cebolinha’

O diretor do jornal Correio do Piauí, Genésio Araújo, tem, como o senador Mão Santa, dificuldade em pronunciar o R. Certa vez, resolveu pregar uma peça no publicitário Marcus Peixoto. Falou com a empregada de Peixoto, inventando uma história picante e no final disse para a moça que quem estava falando era o jornalista Pires de Sabóia. A moça anotou o recado.
A empregada: “Seu Marcus, tem um recado aqui do seu Piles de Sabóia”.
Peixoto: “Não, é Piles de Sabóia. É Pires de Sabóia”.
A emprega: “Não, não é Pires, é Piles de Sabóia mesmo. Ele falou bem devagar e eu anotei o nome”.
Peixoto: “Tudo bem, eu já sei que esse tal Piles de Sabóia na verdade se chama Genésio Araújo”.

Originalmente publicado em 5 de abril de 2004.

Expressas

O teresinense tomou o rumo das estradas e ontem a cidade era um grande vazio de pessoas.

A Polícia Rodoviária Federal está aconselhando a quem for a Pedro II que tome cuidado. Há obras na rodovia federal até a cidade.

Outra recomendação da PRF é que as pessoas evitem trafegar se não tiverem descansado bastante.