Vermelho na Agespisa

A Agespisa, que segue como uma caixa-preta, divulgou na semana passada seu relatório de atividades relativo a 2016. Está disponível na edição do Diário Oficial do Estado de 12 de julho, com dados que ajudam a entender um pouco a situação da companhia. Segundo o documento, de 2015 para 2016, houve um aumento de 5,23% no faturamento da companhia. Saiu de R$ 409,3 milhões para R$ 430,7 milhões. Pode parecer muito, mas não é, considerando o fato de que a inflação acumulada em 2016 foi de 6,29%, ou seja, em termos reais, o faturamento da Agespisa foi negativo. O que é faturado nem sempre é arrecadado. Neste caso, os dados são ainda menos alentadores. A empresa teve uma arrecadação (receita) de R$ 392,1 milhões – 6,82% maior que no ano anterior, mas convém lembrar que o arrecadado correspondeu a 91,03 do faturado. Isso numa conjuntura em que a Agespisa colocou 41.915 clientes em serviços de negativação de crédito (SPC-Serasa), obrigando-os a negociar R$ 16,3 milhões em débitos vencidos, além da constatação de 11.066 ligações clandestinas, que, regularizadas, resultaram em faturamento de R$ 3,6 milhões – algo como 10% do incremento sobre o faturamento do ano anterior, mas com impacto de apenas R$ 1,1 milhão na receita da empresa. Com números tão pouco favoráveis, não é de se admirar que a Agespisa tenha fechado 2016 com um prejuízo de R$ 173,2 milhões, o que é 26,76% maior que o prejuízo do exercício de 2015, quando o vermelho ficou em R$ 136,6 milhões.

 No Canadá, Wellington. Dias convida dirigentes da Bombardier, fabrica de aviões, para conhecer a rota das emoções.
No Canadá, Wellington. Dias convida dirigentes da Bombardier, fabrica de aviões, para conhecer a rota das emoções.

Ilha da fantasia
A Agespisa teve um prejuízo 26,76% maior em 2016 na comparação com 2015, mesmo assim a companhia seguiu gastando mais com pessoal. O crescimento do custo de pessoal da empresa entre os dois exercícios financeiros foi de 21,34% maior, saindo de R$ 96,8 milhões para R$ 117,5 milhões.

Ganho real
Uma empresa insolvente, a Agespisa teve expansão de faturamento abaixo da inflação em 2016, mas o aumento nos gastos com pessoal foi mais de três vezes superior à inflação do ano.

Outro ralo
Mas não é só na despesa com pessoal que a estatal de saneamento do Piauí teve sangrada suas finanças. No que o balanço apresenta como “remuneração de capitais de terceiros”, a companhia viu escoar pelo ralo R$ 111,1 milhões. É dinheiro pago por dívidas feitas por gestores insensatos ao longo dos anos.

Devo não nego
Além das dívidas contabilizadas como “capitais de terceiros”, a Agespisa tem ainda passivos circulantes (débitos de curto prazo) vencidos com diversos fornecedores, sendo o principal deles a Eletrobras Piauí. A estatal de saneamento deve à estatal de energia R$ 151,8 milhões.

Muito mal
O balanço da empresa tem ainda um senão: é negativo o parecer dos auditores independentes sobre as demonstrações contábeis da empresa, que segundo eles, “não representam adequadamente todos os aspectos relevantes à posição patrimonial e financeira” da Agepisa.

Ledo engano
Robert Rios debochou da divulgação de foto em que ele aparece, como dito aqui, em momento fofo com Wellington Dias. Segundo o deputado estadual pedetista, o governador petista “está tão desesperado com a oposição que faço ao seu débil governo, que manda divulgar fotos antigas do tempo em que ele conseguia me enganar”.

Como assim?
Segundo informações do governo do Piauí, Wellington Dias (PT) acertou uma visita de dirigentes da Bombadier ao Piauí, para “discutir ações de turismo na Rota das Emoções”, que vem a ser um roteiro turístico criado por Piauí, Maranhão e Ceará, que teria Parnaíba como porta de entrada, mas graças ao imobilismo piauiense, virou só mesmo um discurso.

Agentes locais
A discussão e a implementação de medidas que salvassem a Rota das Emoções (Lençóis Maranhenses, Delta e Jericoacoara) virou somente uma ideia não executada ao longo dos últimos três anos. Será que os canadenses da Bombardier, fabricantes de aviões e concorrentes da brasileira Embraer, de fato se interessam por isso?

Orixás
Para que sejam colocadas as estátuas de orixás, uma das lagoas do Parque Lagoas do Norte, foi totalmente drenada. No local, no bairro São Joaquim, deve haver um espaço para os cultos de raiz africana e o que se espera é o fim das recorrentes demonstrações de intolerância religiosa contra o candomblé e a umbanda.

Trés chic
A Secretaria de Cultura repassou R$ 8 mil a José de Arimateia dos Santos Sousa para ajudar no custeio de despesas com exposição de artes plásticas, entre os dias 20 e 22 de outubro, no Museu do Louvre, em Paris.

Fumaça
Atende pelo nome de fantasia de Carvoaria Gontijo Brothers a empresa que recebeu licença da Secretaria de Meio Ambiente para operar 200 fornos que devem transformar em carvão material lenhoso das Fazendas Retiro e outras instaladas em Jerumenha, sudoeste do Piauí.

Ping Pong

A missão

O advogado Romildo Mafra, que por duas vezes perdeu a eleição para vereador da capital, recebeu do PSDB a missão de coordenar a propaganda impressa (colagem de cartazes e outdoors) do candidato José Serra em Teresina. Ele encontra-se com o publicitário Marcus Peixoto e conta a novidade:
Romildo: “Pois é, rapaz, eu agora tô com essa trabalheira toda”.
Peixoto: “Bom de campanha como você é, Romildo, é bem capaz de você conseguir uma proeza”. 
Romildo: “E qual é?”
Peixoto: “Vai tirar os últimos votinhos do Serra”.

Originalmente publicada em 19 de agosto de 2002.

Expressas

R$ 506.448,00 foi quanto a Secretaria de Justiça pagou à Companhia Brasileira de Cartuchos pela compra de munição para o sistema prisional do Estado.

R$ 165.682,92 foi quanto a Sesapi pagou, por ordem judicial, em um medicamento para o paciente José Evangelista Barbosa.

R$ 100.000,00 é quanto a Secretaria de Turismo pagou à empresa F&F Shows e Eventos, para evento voltado à promoção do turismo em Palmeirais.