O custo da desertificação

O debate sobre desertificação no Piauí, conduzido até ontem sob organização do Ministério de Meio Ambiente, é revelador de quão estamos atrasados não somente no debate, mas na adoção de medidas que evitem o agravamento da situação. A desertificação é basicamente uma aguda perda de solo fértil em razão do desmatamento. Com isso, perdem-se terras agricultáveis, nascentes, vegetação nativa, nascentes e outros mananciais. O custo socioambiental e econômico disso é brutal, porque pode resultar na incapacidade de muitas regiões em produzir alimentos ou de uso de recursos vegetais abundantes em uso extrativo. As repercussões de longo prazo poderão ser maior custo para abastecimento de água em áreas urbanas ou ainda perdas financeiras dificilmente calculadas, mas que podem ser contadas sempre na casa de dezenas de milhões de reais. Então, temos pela frente o desafio de deter o processo de desertificação e restaurar as áreas já desertificadas. Quanto isso custaria? Não há uma resposta precisa de valores pecuniários, mas é certo dizer que muito mais oneroso será ver toda a economia rural do semiárido do Nordeste (Piauí incluído) entrando numa crise sem fim, com queda de produtividade, redução da capacidade de uso econômico da água, além de elevado custo para se garantir a sobrevivência de milhões de pessoas que poderiam e deveriam estar vivendo do que a agropecuária lhes pode proporcionar.

Coronel Carlos Augusto, um candidato que incomoda. Ele está no café com informação da semana
Coronel Carlos Augusto, um candidato que incomoda. Ele está no café com informação da semana

Candidato
O comandante da Polícia Militar do Piauí é candidato a deputado estadual e se lança em campanha para tanto. Está conseguindo fazer raiva ao PT todo e a meia Assembleia Legislativa com sua pretensão. E virando uma dor de cabeça para o governador Wellington Dias.

O matador
Há suspeitas de que o duplo assassinato ocorrido no sábado passado, no entorno da praça dos Skates, teria sido por vingança. Os dois mortos seriam os matadores do sargento, segurança de Vinícius Dias, filho do governador Wellington Dias, crime ocorrido em fevereiro de 2015.

Tem mais
A Polícia diz não saber, ainda, a identidade do matador, o sujeito que andava de moto.
Mas não está descartada a hipótese de que tal matador seja um policial. UM PM, por assim dizer.

Suspeitas
Um festival de contratos feitos com flagrante descumprimento de normas mínimas de legalidade vem acontecendo entre a Secretaria de Saúde do Maranhão e fornecedores, entre os quais um conhecido malfeitor local do Piauí. E nada do governador Flávio Dino (PCdoB) se mexer para acabar com a patifaria.

Aliás
O governo do Piauí também precisa examinar com lupa os gastos na área da saúde, porque o volume de gastos com medicamentos, por exemplo, é grande demais e há sempre o risco de malfeitorias.

Parou
Um dos programas mais bem sucedidos na saúde pública do Piauí, o Olhar Bem, parou por falta de dinheiro. O Olhar Bem, que fazia consultas, exames oftalmológicos e cirurgias de catarata acabou porque havia recurso federal que o mantinha, mas a fonte secou e não há como obter mais verbas para tocá-lo adiante.

Não é daqui!
A quem interessar possa: Viviane Moura, superintendente da Supac, não está mais subordinada à Secretaria de Governo.
A superintendência que ela dirige saiu do Palácio de Karnak e foi para o Centro Administrativo.
Ela agora é da entrega de Franzé Silva.

Aliás...
Diz-se que o desligamento da superintendente da Secretaria de Governo teria sido uma imposição do próprio Merlong Solano que já à época não se achava muito confortável na companhia da doutora.
E, por conta disso, os dois nem mais se falam.

Melou?
Sabe-se lá aquela confusão entre advogados e o delegado de plantão na Central de Flagrantes não terá sido porque melaram esquemas?
Qualquer advogado experiente sabe dos esquemas de soltar e prender preso. Aqui e no resto do país.

Sem polícia
Júlio Arcoverde, deputado estadual pelo PP, anda para lá de insatisfeito com o pouco caso com que tem sido tratada a segurança pública na cidade de Santa Filomena, sem delegado há pelo menos seis anos. Policial militar por lá é um luxo.

Risco
O deputado estadual reclama que há riscos ampliados para uma cidade numa região de divisa com o Maranhão. Júlio queixa-se que nem mesmo o crescimento econômico de Santa Filomena tem sido suficiente para comover o aparato policial do Estado a dar melhor atenção àquele município.

Ping Pong

Mui amigo...!

O governador Wellington Dias fala para o secretário Robert Rios, sobre a aquisição do novo helicóptero. Chega o aparelho em Teresina e, ao vistoriá-lo, Robert corre para o gabinete do governador.
Robert: “Esse helicóptero pode ser derrubado até por uma baladeira e o senhor não deve usá-lo nem para suas viagens...”
Wellington: “E o que eu faço com ele?”
Robert: “Ceda para o vice”.

Originalmente publicado em 22 de fevereiro de 2008.

Expressas

Robert Rios está cada vez mais certo de que existe, sim, uma chance de ele ser eleito senador.

Quem também anda animado com uma candidatura ao Senado é o surpreendente deputado estadual Dr. Pessoa.

Enquanto isso, outro candidato a senador, Wilson Martins, caminha à cata de votos.