Os paradoxos da política

A "opinião pública" tão citada e fulanizada como sujeito de fatos e ações da vida nacional brasileira, está numa encruzilhada e paradoxos interessantes. De um lado, demoniza um presidente da república conferindo a ele apenas 3% de aprovação  nas pesquisas de opinião pública e, curiosamente, abandona as ruas e outros tipos de protestos. Por sua vez  Michel Temer, que poderia, simplesmente, fazer um governo de pós Dilma apenas dos amigos para os amigos, sem as turbulências que vive desde que assumiu, resolve enfrentar uma batalha que precisava ter sido  encarada há décadas, como as reformas pretendidas. Do Estado, desde a trabalhista, a limitação dos gastos públicos e até a da Previdência. No entanto, ele amarga impopularidade fazendo o que muitos prometeram e tudo ficou apenas no discurso, como ocorreu nos governos de  FHC, Lula, Dilma, eleitos presidentes pelo voto popular.  A situação é tão paradoxal, que ontem, se teve notícia da renúncia do humorista Tiririca ao mandato de deputado federal por não concordar com o fazer política do momento. É, nesse diapasão, que se vê a esperteza de elementos até estranhos ao meio político, como é o caso de Tiririca, que ainda vai à televisão pegar carona na máxima do ‘eu não tenho nada com isso, se fosse comigo, seria diferente’. Dentro de todas essas circunstâncias, o presidente Temer que até agora tem baixa performance junto à dita ‘opinião pública’, vai se encontrar com ela nas ruas e nas urnas de 2018.

Tiririca renuncia sem explicar direito a história de que quiseram comprar seu voto (Foto: Alexandra Martins / Câmara dos Deputados)
Tiririca renuncia sem explicar direito a história de que quiseram comprar seu voto (Foto: Alexandra Martins / Câmara dos Deputados)

A festa no TRT
Hoje, o TRT-PI estará em festa, comemorando 25 anos de instalado no Estado.
Na relação das 37 personalidades que serão homenageadas, há até aqueles que à época, foram contrários à existência do tribunal no Piauí. 
Mas, convenhamos, falta comenda para quem muito trabalhou na sua estruturação.

Barrados
Não se vê na lista, por exemplo, os advogados José Newton de Freitas Coelho, José Geraldo e o ex-sindicalista Evaldo Ciríaco. 
Cada um no seu ofício, fez muito pelo tribunal. 

Injustiçado
José Newton foi diretor geral do TRT-22 durante as duas primeiras gestões contribuindo para a construção da atual sede, de vários fóruns no interior e implantou sua estrutura administrativa.

O consolo
O jeito é José Newton, lembrando da música de José Geraldo,  entoar: “Tá vendo aquele edifício moço?/Ajudei a levantar/Foi um tempo de aflição/Eram quatro condução/Duas pra ir, duas pra voltar (...)Hoje depois dele pronto/Olho pra cima e fico tonto (...) E pra aumentar o meu tédio/Eu nem posso olhar pro prédio/Que eu ajudei a fazer”.

Elas por elas 
Tiririca renunciou ao mandato de deputado federal ontem. Domingo, a Roberto Cabrini, ele disse que nunca esteve com Lula e recebeu propostas milionárias para votar pró-Dilma. 
Fica, então, a palavra de um contra a do outro, porque Lula garante que tratou com ele, na véspera do impeachment de Dilma, exatamente sobre o voto a favor dela. 
E Tiririca votou contra.

Morte anunciada
A morte do  ex-prefeito de Barra do Corda, Manoel Mariano de Souza, conhecido por ‘Nenzim’, levanta uma suspeita muito grande de que tenha conotação eleitoral. Prefeito por três mandatos, Nenzim estava afastado do poder há cinco anos, nada levando a crer que houvesse motivos para a encomenda de sua morte somente agora.

Morte anunciada 2
Entretanto, no momento da morte, Nenzim estava no carro do filho, Nenzim Júnior, conhecido como Vaqueirim, que perdeu as eleições de 2016 para o atual prefeito da cidade, Eric Costa, o Doutorzim.

Morte anunciada 3
Além da coincidência, o processo eleitoral que julga a possível cassação do mandato de Doutorzim encontra-se pronto para ser julgado no TRE do Maranhão.

Morte anunciada 4
E, pelo prenúncio de um mandado de segurança julgado na semana passada, vencido pelo grupo de Nenzim, existe uma probabilidade muito grande de sucesso nessa empreitada judicial eleitoral. 
Logo, a polícia precisa investigar com muito cuidado esses episódios, porque, em Barra do Corda as mortes rondam a família de Nenzim.

Livro
O procurador Federal e Mestre George Jales de Carvalho lançou ontem, na Anchieta, o livro Processo Judicial Eletrônico: reflexão crítica acerca da garantia fundamental de acesso à Justiça do Trabalho.

Chove não molha
Ontem, o presidente do Tribunal de Justiça, Erivan Lopes garantiu que o concurso de cartórios, que se arrasta por cinco anos, deve ser homologado no início de 2018.
Que assim seja, porque essa demora só depõe contra as gestões do Tribunal de Justiça.
Como diz velho adágio, tudo que se diz desse concurso não passa de um ‘chove não molha’ sem fim.

Oxalá...
Se bem que se há de fazer justiça, em parte, porque a procrastinação se deve também aos incontáveis recursos dos próprios candidatos. 
Mas um mandado de segurança que dorme em berço esplêndido, já deveria ter entrado na pauta de julgamento.

Ping Pong

Choro sem herança

Velório de pessoa importante, rica e muito querida em Teresina. Sena Rosa observa um rapaz que não tinha traços de parentesco com a família, chorar copiosamente ao lado do caixão.
Sena Rosa: “Que tristeza, você é parente dela?”
O rapaz: “Não, senhor. Não sou parente, não!”
Sena Rosa: “E por que você está chorando tanto?”
O rapaz: “Exatamente por essa razão”.

Publicado originalmente em 6 de Dezembro de 2011.

Expressas

Inscrições para o Rei e Rainha da Terceira Idade encerram hoje. Escolha do casal deve acontecer no dia 17 de janeiro, no Teresina Shopping.

Teresina em Ação presta mais de 80 mil atendimentos em 2017. O projeto da Prefeitura de Teresina levou serviços para sete bairros da capital neste ano.

Programação de Natal de Teresina promete ser intensa e terá encerramento com a Orquestra Sinfônica. Apresentações acontecerão em vários pontos da cidade e finalizará no dia 25.