Jornal diz que Themistocles bate recorde de permanência na Presidência da Alepi

Themistocles já vai com 12 anos na Presidência

Em uma reportagem sobre a eternização dos presidentes das Assembleias Legislativas nos Estados, o deputado Themistocles Filho (PMDB), que preside a Assembleia Legislativa do Piauí desde 2005, é brindado pelo jornal Folha de São Paulo como um recordista de permanência no cargo desde 1945.

Nos últimos 72 anos – muito mais que a idade do presidente da Alepi, ninguém ficou tanto tempo no cargo. Até aqui, Themistocles já vai com 12 anos na Presidência. Como em janeiro toma posse para mais um mandato, completará 14 anos.

Neste período, três governadores passaram pelo Palácio de Karnak, um dos quais, Zé Filho, era aliado do presidente do Legislativo estadual.

Ele já foi aliado e adversário do atual governador Wellington Dias, contra quem se bateu na escolha do presidente da Alepi, em 2015, quando venceu o petista Fábio Novo. Hábil, mantém cordiais relações com o ocupante da principal cadeira do Palácio de Karnak.

À Folha, declarou que não cria obstáculos. “Nós não temos uma oposição. O PMDB vota as matérias de interesse do Piauí", mas descarta a quase certeza de que seu partido vai assumir cargos no governo petista.

Informa a Folha que para o cientista político Vitor Sandes, da Universidade Federal do Piauí, Themístocles se mantém no cargo por unir o PMDB e dar governabilidade a governadores com base fraca no interior, como a atual gestão, do PT, e a anterior, de Wilson Martins, do PSB.

Themistocles não está só nessa longevidade no comando de uma Assembleia Legislativa. Informa a Folha de São Paulo que em Pernambuco e na Bahia, Guilherme Uchoa (PDT) e Marcelo Nilo (PSL), respectivamente, já completaram dez anos no cargo –Uchoa já foi reeleito para o biênio 2017-2018 e Nilo concorre a mais um mandato em fevereiro.

Nilo, da Bahia, ficou conhecido por agradar deputados da base e da oposição com distribuição de cargos e até de bolsas de estudo bancadas pela Assembleia. Ele diz que disputar o sexto biênio consecutivo não estava nos seus planos, mas concorrerá por ser "um momento de crise".