Cinco meninas de escolas pública do Piauí que são nota 1.000 no Enem

Cinco estudantes de escolas públicas estaduais do Piauí devem ser consideradas nota 1.000 na redação do Enem. Não, elas não tiraram a nota máxima. Mas não é preciso que tirem para que se chegue a essa conclusão. Uma dessas meninas, Dayse Viana, acordava todos os dias às 4 da manhã, percorria 30 km para não chegar atrasada à aula. Tirou nota 860 na redação.

Dayse Viana: 30 km para chegar a escola todo dia
Dayse Viana: 30 km para chegar a escola todo dia

A primeira dessas meninas nota 1.000 chama-se Thamara Ranielly a garota de Oeiras, estudante do Centro de Educação Integral (Ceti) Pedro Sá, que tirou nota 980 na redação do Enem. Faltaram-lhe 20 pontos para mil. Mas para quem está na escola pública, sempre carente de tudo – até de professores – não chegar à nota máxima por 20 pontos é um mero detalhe. Aliás, do ponto de vista matemático, quando se chega a 980 se aproxima para cima. Assim, Thamara, ao menos para mim, é nota 1.000.

Numa entrevista ao portal de notícia do governo do Estado, ela disse: “Fico feliz em saber que todo o esforço valeu a pena. Sou muito grata ao apoio da minha família e de todo grupo gestor do Ceti Pedro Sá que contribuiu para essa nota, em especial, o diretor Edgar Sousa e a exímia professora de redação Ioneide Ferreira, que dedicou seu tempo a corrigir dezenas de redações em prol do sucesso dos seus alunos".

Thamara: o reconhecimento aos que a ajudaram
Thamara: o reconhecimento aos que a ajudaram

Percebam os leitores que Thamara reparte seu sucesso com quem constrói o êxito de qualquer escola: a família, a direção e o professor. Essa menina é mesmo nota 1.000.

Outra menina que fez boa prova de redação no Enem, oriunda da escola pública, é Elaícy Granjeiro. Ela estuda no Ceti Didácio Silva, zona Sudeste de Teresina e que pelas notas do Enem em 2016, é a melhor escola pública estadual de Teresina. Elaicy fez 900 pontos e não está só: outros sete estudantes da Didácio Silva tiraram semelhante na redação.

Ela atribuiu sua conquista à qualidade do ensino em sua escola. "Amei estudar no Didácio Silva. Essa escola foi o mais importante, pois se não fosse ela não teria conseguido esse desempenho. Apenas coloquei em prática o que aprendi lá nas revisões e aulas extras". Agora, ela pensa em cursar Direito. Está no rumo. Quem escreve bem tem boa chance de se dar bem na área.

Elaícy: desempenho bom com apoio da escola
Elaícy: desempenho bom com apoio da escola

Uma outra menina boa de leitura e escrita se destacou na redação do Enem. Trata-se de Sandy Bernarda, do Ceti José Alves Bezerra, de Monsenhor Hipólito. Ela fez 920 pontos. “Estou muito feliz pela conquista, tendo em vista ter sido algo pelo qual me esforcei muito. Acredito que irá me ajudar a realizar meu sonho que é cursar Letras Português. Estou imensamente agradecida a minha escola, meus pais e professores", destaca Sandy Bernarda.

Um pouco abaixo da Sandy ficou Ana Letícia de Sousa Fialho, com 900 pontos na redação – o que parece adequado para ela que foi escolhida pelo Senado como jovem senadora pelo Piauí.

A diretora do Ceti José Alves Bezerra, Josefa Ilza, afirma que havia um temor dos alunos pela complexidade do tema da redação em 2017. Mesmo assim, o resultado foi muito positivo. "Conseguimos manter a nossa média de 2016, apesar da dificuldade desse último Enem. Então, esse resultado só comprova que o nosso trabalho está evoluindo e melhorando. O esforço e investimento no resultado no Enem deram certo”.

Ana Letícia: além de nota boa no Enem, jovem senadora pelo Piauí
Ana Letícia: além de nota boa no Enem, jovem senadora pelo Piauí

Uma nota menor (860 pontos) deve ser celebrada? Sim, se consideramos que quem a fez teve esforços muito maiores que outros estudantes. A dona desta marca é Dayse Viana, residente em Nazária, mas matriculada no Ceti Monsenhor Cícero Portela, no Parque Piauí, zona Sul de Teresina.

Dayse é também uma menina nota 1.000. Sua história é daquelas para render filme ou molhar nosso sorriso: saía todos os dias às 4 da manhã de casa, rodava 30 km para chegar à escola e estudar. Foi a melhor nota de redação em sua escola. Merece uma foto na parede para inspirar quem tem menos dificuldades e não consegue o mesmo êxito,

O diretor da escola, professor Carlos Fortes, se orgulha, com razão, de sua aluna:”Seus 860 pontos são ainda mais impressionantes pelas dificuldades que ela enfrentava para chegar a escola. Residindo no município de Nazária, saía de lá diariamente às 4 da madrugada para não chegar atrasada. É uma das nossas dezenas de vitoriosas e vitoriosos", explica o diretor da Escola, Carlos Fortes.