A pantomima superou as expectativas

Dizíamos aqui no Blog na última quinta-feira que, liderando uma caravana que denominamos de "Caravana da Omissão"  o governador Wellington Dias desembarcaria ontem em Bom Jesus no extremo-Sul do estado, acompanhado de senadores, deputados federais e estaduais e posariam para fotos: Ciro Nogueira, Regina Sousa, Átila Lira, Júlio Cesar, Assis Carvalho, Marcelo Castro, Heráclito Fortes, Mainha, vice-governadora Magareth Coelho - além  de burocratas e assessores, todos eles,   tentando se justificar junto à população piauiense, do abandono a que relegaram uma rodovia que dá acesso às regiões sul e sudeste do país, a BR-135, causadora  de uma verdadeira carnificina humana,  tal o espantoso número de acidentes com vítimas fatais, só no corrente ano.

Esse grupo se reuniu em auditório deitaram falação prometendo atuarem em uníssono, no sentido de alocarem recursos para refazerem os " pontos críticos", do trecho Eliseu Martins - Cristalândia.

Coincidentemente ou não, o ex-deputado federal João Henrique Sousa - atualmente dirigindo uma das pernas do bilionário Sistema S (SESI-SENAI) já em franca campanha para o pleito de 2018, como postulante ao governo do estado, aproveitou a sua passagem por Bom Jesus, nessa sua vilegiatura semanal, declararando à imprensa, que não existe no orçamento da República,  recursos destinados  a recuperação da BR-135 no momento. 

Ligado política e por laços de amizade de longas datas ao presidente  Michel Temer, não é de causar estranheza ao mundo político piauiense se, num futuro não muito distante,  o ex-deputado João Henrique, venha ao proscênio, declarando que, através do seu prestígio pessoal, conseguiu os recursos necessários para uma recuperação completa do trecho Eliseu Martins -Cristalândia, jogando um balde de água  fria na pantomima encenada ontem em Bom Jesus pela Caravana da Omissão.

É isso. 

PS: as afirmações acima poderão se concretizar permanecendo as atuais condições de temperatura  e  pressão, isto é, caso o presidente Michel Temer chegue ao final do mandato.