* Uma prestação de contas à sociedade timonense

Na manhã desta quarta -feira (22), as contas referentes ao exercício financeiro de 2010, quando estive à frente da gestão da Prefeitura de Timon, foram aprovadas por unanimidade, na Câmara de Vereadores.
Eu, como atual vereadora da cidade, resolvi me abster da votação e vejo essa aprovação como um gesto de muita responsabilidade, pois a câmara, por ser um ente político faz um julgamento político também em cima do julgamento técnico do TCE, que prepara toda análise, avaliação e encaminha para cá, mas por compor a base de oposição, ser a líder, isso em nada interferiu na decisão dessa Casa Legislativa, por isso esse poder deixa um legado para as gerações futuras.
Nessa votação é preciso analisar os atos, as prerrogativas de uma forma neutra, isenta, mas técnica responsável, mais justa, e foi isso que a Câmara fez. Pegou todo parecer recomendando aprovação do TCE, com ressalvas, que são erros considerados formais, que por ser dessa forma, a própria corte, não toma isso como ato de ilícito, ato de improbidade, que possa ter causado prejuízo ao erário, por isso considera ressalva formal, mas o TCE aprova, porque cumprimos todos os índices constitucionais conforme determina a lei de responsabilidade fiscal, apresentamos a documentação a contento.
Minha decisão de me abster da votação foi por entender que como hoje estava sendo julgada uma prestação de contas minha, hoje vereadora, e de quando fui prefeita de Timon, não deveria opinar apenas apresentar a defesa e aguardar o resultado. Dessa forma não legislo em causa própria e o resultado foi positivo. E por isso estou feliz, claro, pois qual o gestor que não quer ter um atestado de probidade, uma certidão de que aplicou os recursos corretamente cumprindo todos os itens e índices da lei de responsabilidade fiscal. Boa tarde amigos.

*Texto enviado ao blog do Murilo pela ex-prefeita e atual vereadora professora Socorro Waquim, do município de Timon, que reproduzimos na íntegra.