Vereadores aprovam contas da gestão da ex-prefeita Socorro referentes a 2010

Socorro se absteve de votar por entender que estaria legislando em "causa própria".

Vereadores aprovam prestação de contas da ex-prefeita Socorro
Vereadores aprovam prestação de contas da ex-prefeita Socorro
Socorro discursando minutos antes da aprovação
Socorro discursando minutos antes da aprovação

Por unanimidade de votos dos vereadores presentes ao plenário, a Câmara Municipal de Timon aprovou, em sessão plenária hoje (22), as contas da ex-prefeita Socorro Waquim, referentes ao exercício de 2010 acompanhando o voto do relator Felipe Andrade (PDT) e recomendação técnica do Tribunal de Contas do Estado que remeteu as prestações de contas ao legislativo timonense com recomendação técnica de aprovação com ressalvas.

Dos 21 vereadores 20 optaram por aprovar as contas da ex-prefeita por conta de sua defesa no que o TCE entendeu como erros técnicos, por isso a recomendação ressalvada, mas que em sua defesa a ex-prefeita Socorro Waquim explicou e esclareceu todos os pontos ressalvados pela corte de contas estadual.

Socorro Waquim, que hoje é vereadora de Timon, se absteve de votar, a decisão dela seria em decorrência de que “não poderia legislar em causa própria”, mas que estava convencida da aprovação das contas na oportunidade de apresentar seus argumentos plausíveis dentro do processo de defesa estabelecido pelo regime da casa legislativa.

O presidente da Casa Uilma Resende disse que aprovação das contas da ex-prefeita é uma prova de maturidade política dos vereadores da atual legislatura, que deixam de lado seus pensamentos e ideologias políticas para cumprir de forma acertada o que determina a legislação, pois se o próprio STF sustenta que a decisão de aprovação ou rejeição das contas dos gestores municipais é da Câmara Municipal, os vereadores jamais poderiam agir diferente, mesmo sendo a maioria contrários politicamente à ex-gestora.

“Acredito que os ideais políticos se prevalecem na Casa, o que não está prevalecendo é a rivalidade política. Nós votamos baseado no parecer. Hoje ela (Socorro Waquim) pertence a oposição, mas nós temos que respeitar isso e deixar que a democracia impere. Se o TCE diz que as contas estão aprovadas com ressalvas, nós não poderíamos aqui fazer diferente, pois não tínhamos esse direito, a Câmara poderia, colocar um parecer contrário e rejeitar, mas aí tirar a chance de defesa da ex-prefeita. Com a rejeição seu nome iria constar na lista dos fichas sujas, e nós demos um exemplo de maturidade política e democracia e esperamos que outras câmaras não sejam usadas como instrumento de inquisição , pois temos relato disso no país, onde câmaras mudaram o parecer para prejudicar aquele que hoje é seu adversário”, disse Uilma Resende.