Piauí possui a maior taxa de feminicídio do país

Os crimes contra Iarla e Camilla foram cometidos por homens que estavam em cargos que têm como missão defender a sociedade contra a criminalidade

No início do ano, a estudante de arquitetura Iarla Lima Barbosa foi assassinada pelo namorado, o ex-tenente José Ricardo da Silva. O casou chocou a população piauiense pela frieza que o rapaz matou a namorada sem dar a ela a chance de se defender.

Anamelka Cadena (Foto: Marcelo Gomes / Portal AZ)
Anamelka Cadena (Foto: Marcelo Gomes / Portal AZ)

Outro caso bárbaro e cruel no Piauí foi a morte da jovem estudante de Direito, Camilla Abreu, de 21 anos, que foi assassinada pelo capitão da polícia militar do 8º batalhão, Alisson Watson. A jovem estava desaparecida desde o dia 25 de outubro. O namorado da vítima disse que tinha deixado ela na porta de casa, quando na verdade, a matou e escondeu o corpo dela em um matagal do povoado Mucuim, nas proximidades da BR-343.

Os crimes contra Iarla e Camilla foram cometidos por homens que estavam em cargos que têm como missão defender a sociedade contra a criminalidade. E, não o contrário. Mas esses homens usaram o poder para coagir, maltratar, humilhar e matar duas mulheres indefesas. De acordo com a coordenadora do Núcleo de Feminicídio da Polícia Civil, a delegada Anamelka Cadena, lamentavelmente, em alguns casos, a questão do machismo é fortificada por essa sensação de poder e de pertencer a uma instituição policial. "Alguns homens de caráter desvirtuado, que fazem parte de uma instituição policial, se sentem mais poderosos e têm condutas delitivas. Mas a maioria dos policiais se revolta com esse tipo de conduta e se mostra na verdade, protetores das mulheres. Tanto que na atuação policial, temos homens e mulheres no enfrentamento a esse tipo de violência", declarou a delegada.

Arimatéia Azevedo e Anamelka Cadena (Foto: Marcelo Gomes / Portal AZ)
Arimatéia Azevedo e Anamelka Cadena (Foto: Marcelo Gomes / Portal AZ)

Diante do número crescente de feminicídio, o Piauí possui a maior taxa do país, segundo o 11º Anuário Brasileiro de Segurança Pública. De acordo com a pesquisa, que comparou dados de 2015 e 2016, do total de mulheres mortas no Piauí no ano passado, 57,4% foram vítimas de feminicídio, que é a morte pela condição do sexo feminino.

Um levantamento realizado pela Secretaria de Segurança Pública, no período de maio de 2015 a agosto de 2016, mostra que foram registradas 84 mortes de mulheres no piauí, cerca de 50 delas tipificadas como feminicídio.

Assista abaixo ao programa na íntegra: