O problema prisional só se resolve com justiça social



O problema prisional brasileiro, reside fundamentalmente no tratamento desumanizado que é dispensado ao preso. O presidiário é um ser humano como qualquer um de nós - que temporariamente vive num presídio para cumprir punição por um delito praticado, mas que logo que tenha cumprido sua pena e ressocializado, deve voltar ao convívio social.

É assim que deveria ser, mas não é exatamente isso que acontece no Brasil, um país onde os presos são tratados com desumanidade, porque são maltratados, humilhados e ofendidos na sua condição humana, a começar pelo espaço onde os nossos presos são ‘depositados’ como feras humanas.

Com o tratamento, via de regra, dispensado ao presidiário no Brasil, eu quero ver alguém sair de uma prisão brasileira melhor do que entrou. Para alguns sociólogos, as nossas prisões são verdadeiras escolas, onde se aprimora a prática do crime, da violência e a desumanização do ser humano.

A proposta da criação de um ministério para cuidar só do nosso sistema prisional é mais uma proposta descabida, porque os meios que dispomos é suficiente para resolver esse grave problema, desde é claro, que os governos invistam em formação profissional, na geração de emprego, na qualificação profissional e num efetivo controle de natalidade.

Com os pobres e miseráveis continuando jogando no oco do mundo filhos que não poderão criá-los, os governos podem construir o maior número de presídios que serão insuficientes para prender um número de marginais que só aumenta.