Controle de gastos e salários

O modelo da União sobre o controle de gastos é literalmente acertado para um início indefinido de crescimento econômico. De tão boa aparência esta medida já abre espaço para que o Estado do Piauí encaminhe para a Assembléia Legislativa um modelo próprio de controle de gastos, seguindo a União, por um período de dez anos. Como se vê, há um interesse comum na condução da gestão pública sob controle, em todos os níveis, desde a União aos Estados.

No fundo, no fundo, todos gostariam de ter suas despesas sobre controle. O maior empecilho ainda parece ser o corte de privilégios.

Quando se fala em controle de gastos no serviço público, vem logo na lembrança cortes de regalias. A transparência que se encarregue da sua parte!

Embora nem tudo tenha a ver com os chamados super salários, este sempre foi o ponto mais nevrálgico do tema. Sobre este assunto, o Senado aprovou o limite de teto salarial para os três Poderes em todos os níveis.

Se bem entendido, o teto máximo é um bom salário para enfrentamento de uma inflação que tende a cair, segundo o que preconiza a PEC aprovada e sancionada sobre controle de gastos.

Administrar salários no serviço público sempre foi uma coisa séria, porquanto há outras obrigações a serem fielmente cumpridas, como custeio e investimentos.