O exercício certo para cada idade

O estresse não escolhe idade e um dos métodos mais eficazes para combater esses males é treinar

O perfil de quem frequenta a musculação hoje, é bem diferente daquele que se via nas academias há dez anos. Em meio a homens e mulheres bem treinados, não é raro encontrar adolescentes e até idosos 'puxando ferro'. Muitos, inclusive, cumprindo ordens médicas. A mudança nada tem a ver com a criação de uma versão light do exercício. O objetivo ainda é fortalecer e tonificar o corpo, com movimentos repetitivos e sobrecarga de pesos. O estresse não escolhe idade e um dos métodos mais eficazes para combater esses males é treinar, seja qual for a idade.

Aos 20 anos. É uma época de socialização. Uma boa são os esportes em grupo nessa idade o corpo está mais preparado para lidar com impactos. Mas mesmo assim ele não está livre de lesões. O início deve ser lento e a frequência é importante: deve ser de três vezes por semana, ou intercalar com outro tipo de atividade.

Por volta dos 35 anos, a força e massa muscular começa a decair. É importante acrescentar musculação para garantir o ganho e a manutenção da massa muscular. A frequência é de três vezes por semana podendo associar com treinos aeróbios. Mulheres na menopausa em torno de 40 anos correm um risco de osteoporose, e exercícios ajudam a fixar cálcio nos ossos. O importante é garantir pelo menos duas horas de prática aeróbica por semana, entre outras coisas, evitar o ganho de peso comum da idade.

A força muscular diminui já aos 50 anos, o que deixa o corpo mais vulnerável a lesões. Os exercícios de menor impacto como a caminhada, hidroginástica.  A musculação para a terceira idade deve ser feita com o acompanhamento de um profissional para não ocorrer a sobrecarga nos aparelhos. Essa prática melhora o desempenho nas tarefas diárias e aumenta a disposição.

É aí que entra a musculação. Ela é uma saída para treinar grupos musculares que estão em desequilíbrio ou ate mesmo fraco e inativo, usamos a musculação para prevenir problemas gerados pela falta de uso, para desempenho físico e qualidade de vida como desvios posturais, falta de flexibilidade, fraqueza muscular entre outras patologias.

Bom Treino e até a próxima!

Marcell Brandão Wercklose

Prof. Esp. em Lesões no Esporte.

Prescrição do Exercício.