1. Blogs
  2. Murilo Noleto
  3. Preconceito inadmissível
Publicidade

Preconceito inadmissível

Por mais que se tenha boa vontade em relevar as estultices diárias do Presidente Bolsonaro, há momentos em que essa boa vontade não vinga. 

A última asnice do chefe da nação brasileira, que insiste em jogar na lata do lixo, a definição do ex-presidente Sarney sobre a liturgia do cargo, obrigatória para quem exerce as mais elevadas funções de um país, aconteceu no dia de ontem, quando Bolsonaro resolveu espezinhar os governadores do Nordeste, consequentemente à população dessa região, ao denominá-los de Paraíbas, escolhendo o governador do Maranhão, o ex-juiz federal Flávio Dino, ao dizer que não queria papo e nem tinha nada a oferecê-lo . 

Cá para nós, isso é lá palavreado de um presidente de uma nação com mais de 200 milhões de habitantes? 

Só uma única avaliação pode ser feita, a respeito desse boquirrotísmo presidencial, qual seja, por não ter nenhuma noção do cargo que ocupa e nem a mínima ideia de como tirar o país da encalacrada em que se encontra, Bolsonaro tenta diariamente manter esse Feedback com os seus eleitores que, tal qual os do ex-presidente Lula, são incapazes- abduzidos que foram- de refletirem com a devida isenção, as atitudes, tanto do ex-presidente admirado ainda por uma parcela significativa da população brasileira, bem como o atual presidente Bolsonaro que não escolhe nem hora e nem lugar, para proferir frases capazes de corar Frade de Pedra. 

É isso .

Por mais que se tenha boa vontade em relevar as estultices diárias do Presidente Bolsonaro, há momentos em que essa boa vontade não vinga. 

A última asnice do chefe da nação brasileira, que insiste em jogar na lata do lixo, a definição do ex-presidente Sarney sobre a liturgia do cargo, obrigatória para quem exerce as mais elevadas funções de um país, aconteceu no dia de ontem, quando Bolsonaro resolveu espezinhar os governadores do Nordeste, consequentemente à população dessa região, ao denominá-los de Paraíbas, escolhendo o governador do Maranhão, o ex-juiz federal Flávio Dino, ao dizer que não queria papo e nem tinha nada a oferecê-lo . 

Cá para nós, isso é lá palavreado de um presidente de uma nação com mais de 200 milhões de habitantes? 

Só uma única avaliação pode ser feita, a respeito desse boquirrotísmo presidencial, qual seja, por não ter nenhuma noção do cargo que ocupa e nem a mínima ideia de como tirar o país da encalacrada em que se encontra, Bolsonaro tenta diariamente manter esse Feedback com os seus eleitores que, tal qual os do ex-presidente Lula, são incapazes- abduzidos que foram- de refletirem com a devida isenção, as atitudes, tanto do ex-presidente admirado ainda por uma parcela significativa da população brasileira, bem como o atual presidente Bolsonaro que não escolhe nem hora e nem lugar, para proferir frases capazes de corar Frade de Pedra. 

É isso .

Como está fácil "Caça às bruxas"

Mais lidas desse blog