Porque Mulher Maravilha é o segundo melhor filme do ano (atrás de Logan)

Mulher Maravilha em cartaz nos cinemas de Teresina prova isso com muito estilo

Não é nada demais: uma história bem contada com começo, meio e fim, diálogos ótimos e ação perfeita, é assim que se faz um grande filme de heróis (no caso de heroína). Mulher Maravilha em cartaz nos cinemas de Teresina prova isso com muito estilo.

Com uma atriz perfeita para o papel: Gal Gadot (Velozes e Furiosos) que é divertida, competente e muito boa nas sequencias de ação, a israelense prova que tem talento para segurar o pique da heroína.

Um dos pontos altos do filme: a Batalha em Themyscira entre alemães e amazonas mostram a competência da diretora Patty Jenkins, apesar da história que Zack Snyder pilotou algumas cenas.

Que bom, uma ação filmada de dia (mostrando o poder dos efeitos) e não tentativas de encobrir erros (já prestaram atenção na insistência de lutas à noite, odeio). Lembra muito a sequencia de Tróia.

O roteiro é tão coeso que o filme nunca se arrasta, está todo o tempo ao lado da história que se desenrola e não tenta nos embromar. Palmas pra Geoff Johns e Allan Heinberg, roteiristas do filme.

Como nada é perfeito, ô saudade de um Lex Luthor (Hackman) e Coringa (Ledger). Os vilões aqui, uma tal de dra. Veneno, um militar alemão e a descoberta final são sem nenhuma alma, ponto negativo que não estraga o produto.

Homem Aranha estreia em julho com Tom Holland como protagonista. Agora é com você, mantenha o nível.