1. Colunas
  2. Arimatéia Azevedo
  3. Operação natureza
Publicidade

Operação natureza

Um advogado tem recorrido aos meios de comunicação para deletarem os conteúdos sobre a “Operação Natureza”, da Polícia Civil, que prendeu, entre outras pessoas, o superintendente Carlos Moura Fé, da Secretaria do Meio Ambiente, por suposto envolvimento com corrupção em licenciamento ambiental. De fato, como diz o advogado, as prisões foram por ‘suposto envolvimento’ porque passados mais de seis meses ninguém foi denunciado até agora. Se já é decorrido todo esse período e o inquérito policial não foi concluído - como garante o advogado - a polícia se encontra em um dilema que precisa ser rapidamente solucionado. Afinal de contas, é devida uma satisfação à sociedade, para apontar os erros e os culpados, o que, na linguagem jurídica, significa materialidade e autoria do delito. De outra, também deve satisfações ao cidadão, porque apontá-lo como autor de um crime sem a conclusão do inquérito ou, por qualquer descuido ou desvelo, deixar em aberto uma investigação sem a denúncia inerente ao fato, significa colocar uma espada de Dâmocles por sobre a cabeça do acusado, que se vê às voltas com uma acusação sem fim, desmoralizado diante da opinião pública, porque a própria polícia assim quis. O artigo 5º, inciso 78 da Constituição Federal estipula limite de tempo para que as investigações ocorram, e as pessoas não sejam indefinidamente apontadas como culpadas, sem que haja efetivamente a culpa formada, no sentido estrito da expressão. Pode até mesmo ser que já esteja ocorrendo o abuso de autoridade ou prevaricação. Ou ambos. As explicações precisam ser rapidamente postas, para que não se transforme as atuais inquietações em dúvidas permanentes e perigosas.

Rafael Fonteles, em Brasília, entre o presidente do Senado, Davi Alcollumbre e o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni

SOS HTI 

Há informações, oficialmente não confirmadas, que desde janeiro funcionários do hospital HTI, a antiga Casamater, têm sido dispensados sem que lhes tenha sido pago a verba rescisória. 
Com isso, eles ficam sem poder sacar o FGTS, que não foi depositado e sem direito ao seguro desemprego.

Carteira retida

O problema mais grave, segundo as denúncias, é que os funcionários estariam com as carteiras de trabalho e guias para recebimentos de seguro desemprego retidos.
A coluna não ouviu a direção do HTI.

Rafael Fonteles

Presidente do Comitê dos Secretários de Estado da Fazenda (Comsefaz), Rafael Fonteles, se reuniu em Brasília, na última terça-feira, com o presidente do Senado, Davi Alcollumbre e o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. 
Na pauta, foram tratados assuntos de interesses das finanças estaduais, a exemplo da Reforma Tributária.

Apoio

Durante a reunião, o presidente do Senado colocou-se totalmente à disposição para colaborar com as propostas que o presidente Rafael conseguir harmonizar no âmbito do Comsefaz.

Cursos da Esmepi

O desembargador Edvaldo Moura instalou anteontem, os cursos regulares da Esmepi, com apoio da Ufpi. 
A aula magna foi ministrada pelo professor Nelson Juliano, doutor em Direito Constitucional pela Faculdade de Direito da Universidade Federal de Pernambuco e que foi apresentado pela não menos competente professora Olivia Brandao, ambos da Universidade Federal do Piauí.

Mera coincidência

Recentemente chegado na base do governo, o deputado Firmino Paulo, que era do PSDB e agora é do Progressistas, também foi ao Palácio de Karnak atrás de sua fatia do bolo. 
Indagado sobre o encontro com o governador no dia em que o petista recebeu os líderes dos partidos, o deputado disse que a data foi uma coincidência. 
Na certa, o ex-tucano deve aguardar mais um pouco, pois já tinha gente na fila.

Deputado suplente

O Suplente de deputado estadual, Warton Lacerda, que é presidente do Altos Futebol Clube, instrui os torcedores do time a chamá-lo de deputado.
Ele tem certeza de que será convocado para o mandato.

Mais do mesmo

Saiu uma lista dita oficial dos membros da equipe do quarto governo de Wellington Dias. Nada de novo, apenas a repetição e, em alguns casos, deslocamentos das figuras do terceiro governo para outros cargos. 
Fábio Novo, por exemplo, não será secretário de Cultura, vai ser o de Turismo.

Esquentando

Ellen Gera, que entrou no lugar de Helder Jacobina, que pediu para sair depois da história do Rand Rover na porta da escola, deve ficar esquentando o lugar até Franzé Silva resolver dizer se aceita o cargo. 
Os outros ditos novatos, são desconhecidos apenas para o público, mas todos sabem quem são os seus padrinhos.

Território fechado

Franzé Silva diz que quer ficar na Assembleia Legislativa. Mas a história de bastidores seria outra bem diferente: o território lá é do mando da deputada Rejane Dias, que, seguramente, não aceitaria as mudanças que Franzé poderia fazer. 

Ele indica

O deputado Nerinho, por exemplo, não mais será secretário. Era o titular da Secretaria do Desenvolvimento Econômico, mas desta vez vai indicar um apadrinhado.
Só se espera que o ungido saiba pelo menos o que irá fazer no cargo.

Os suplentes

Por enquanto, já se vê que Wellington Dias convocará três suplentes com a confirmação de Janaina, Fábio Novo e Francisco Lima no secretariado. 
Como Júlio Arcoverde certamente vai voltar, deve ser mantido Bessá e convocados Warton Lacerda e Ziza Carvalho.

Calendário

Como se vê, no governo Wellington Dias a única coisa nova é a data. Mas como o tempo não para, é melhor ele cuidar porque senão ao invés de envelhecimento haverá a morte. 
Do governo, of course.

Ping-Pong
A data

O repórter Lucas Pereira conversa com o vereador Edson Melo sobre os nomes anunciados para o secretariado do quarto governo de Wellington Dias. 

Lucas: “O que o senhor diz desse novo governo do Wellington...”
Edson: “De novo mesmo só a data”.

Expressas

O TJ-PI suspendeu lei que proibia discussão de gênero em escolas públicas e privadas de Picos. A medida cautelar é consequência de ação movida pelo Ministério Público do Estado.

As inscrições para a Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR) de 2019 já estão abertas. O prazo vai até 17 de maio.

Participantes que solicitaram a isenção da taxa do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) já podem conferir se os pedidos foram ou não aceitos.

Um advogado tem recorrido aos meios de comunicação para deletarem os conteúdos sobre a “Operação Natureza”, da Polícia Civil, que prendeu, entre outras pessoas, o superintendente Carlos Moura Fé, da Secretaria do Meio Ambiente, por suposto envolvimento com corrupção em licenciamento ambiental. De fato, como diz o advogado, as prisões foram por ‘suposto envolvimento’ porque passados mais de seis meses ninguém foi denunciado até agora. Se já é decorrido todo esse período e o inquérito policial não foi concluído - como garante o advogado - a polícia se encontra em um dilema que precisa ser rapidamente solucionado. Afinal de contas, é devida uma satisfação à sociedade, para apontar os erros e os culpados, o que, na linguagem jurídica, significa materialidade e autoria do delito. De outra, também deve satisfações ao cidadão, porque apontá-lo como autor de um crime sem a conclusão do inquérito ou, por qualquer descuido ou desvelo, deixar em aberto uma investigação sem a denúncia inerente ao fato, significa colocar uma espada de Dâmocles por sobre a cabeça do acusado, que se vê às voltas com uma acusação sem fim, desmoralizado diante da opinião pública, porque a própria polícia assim quis. O artigo 5º, inciso 78 da Constituição Federal estipula limite de tempo para que as investigações ocorram, e as pessoas não sejam indefinidamente apontadas como culpadas, sem que haja efetivamente a culpa formada, no sentido estrito da expressão. Pode até mesmo ser que já esteja ocorrendo o abuso de autoridade ou prevaricação. Ou ambos. As explicações precisam ser rapidamente postas, para que não se transforme as atuais inquietações em dúvidas permanentes e perigosas.

Rafael Fonteles, em Brasília, entre o presidente do Senado, Davi Alcollumbre e o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni

SOS HTI 

Há informações, oficialmente não confirmadas, que desde janeiro funcionários do hospital HTI, a antiga Casamater, têm sido dispensados sem que lhes tenha sido pago a verba rescisória. 
Com isso, eles ficam sem poder sacar o FGTS, que não foi depositado e sem direito ao seguro desemprego.

Carteira retida

O problema mais grave, segundo as denúncias, é que os funcionários estariam com as carteiras de trabalho e guias para recebimentos de seguro desemprego retidos.
A coluna não ouviu a direção do HTI.

Rafael Fonteles

Presidente do Comitê dos Secretários de Estado da Fazenda (Comsefaz), Rafael Fonteles, se reuniu em Brasília, na última terça-feira, com o presidente do Senado, Davi Alcollumbre e o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. 
Na pauta, foram tratados assuntos de interesses das finanças estaduais, a exemplo da Reforma Tributária.

Apoio

Durante a reunião, o presidente do Senado colocou-se totalmente à disposição para colaborar com as propostas que o presidente Rafael conseguir harmonizar no âmbito do Comsefaz.

Cursos da Esmepi

O desembargador Edvaldo Moura instalou anteontem, os cursos regulares da Esmepi, com apoio da Ufpi. 
A aula magna foi ministrada pelo professor Nelson Juliano, doutor em Direito Constitucional pela Faculdade de Direito da Universidade Federal de Pernambuco e que foi apresentado pela não menos competente professora Olivia Brandao, ambos da Universidade Federal do Piauí.

Mera coincidência

Recentemente chegado na base do governo, o deputado Firmino Paulo, que era do PSDB e agora é do Progressistas, também foi ao Palácio de Karnak atrás de sua fatia do bolo. 
Indagado sobre o encontro com o governador no dia em que o petista recebeu os líderes dos partidos, o deputado disse que a data foi uma coincidência. 
Na certa, o ex-tucano deve aguardar mais um pouco, pois já tinha gente na fila.

Deputado suplente

O Suplente de deputado estadual, Warton Lacerda, que é presidente do Altos Futebol Clube, instrui os torcedores do time a chamá-lo de deputado.
Ele tem certeza de que será convocado para o mandato.

Mais do mesmo

Saiu uma lista dita oficial dos membros da equipe do quarto governo de Wellington Dias. Nada de novo, apenas a repetição e, em alguns casos, deslocamentos das figuras do terceiro governo para outros cargos. 
Fábio Novo, por exemplo, não será secretário de Cultura, vai ser o de Turismo.

Esquentando

Ellen Gera, que entrou no lugar de Helder Jacobina, que pediu para sair depois da história do Rand Rover na porta da escola, deve ficar esquentando o lugar até Franzé Silva resolver dizer se aceita o cargo. 
Os outros ditos novatos, são desconhecidos apenas para o público, mas todos sabem quem são os seus padrinhos.

Território fechado

Franzé Silva diz que quer ficar na Assembleia Legislativa. Mas a história de bastidores seria outra bem diferente: o território lá é do mando da deputada Rejane Dias, que, seguramente, não aceitaria as mudanças que Franzé poderia fazer. 

Ele indica

O deputado Nerinho, por exemplo, não mais será secretário. Era o titular da Secretaria do Desenvolvimento Econômico, mas desta vez vai indicar um apadrinhado.
Só se espera que o ungido saiba pelo menos o que irá fazer no cargo.

Os suplentes

Por enquanto, já se vê que Wellington Dias convocará três suplentes com a confirmação de Janaina, Fábio Novo e Francisco Lima no secretariado. 
Como Júlio Arcoverde certamente vai voltar, deve ser mantido Bessá e convocados Warton Lacerda e Ziza Carvalho.

Calendário

Como se vê, no governo Wellington Dias a única coisa nova é a data. Mas como o tempo não para, é melhor ele cuidar porque senão ao invés de envelhecimento haverá a morte. 
Do governo, of course.

Ping-Pong
A data

O repórter Lucas Pereira conversa com o vereador Edson Melo sobre os nomes anunciados para o secretariado do quarto governo de Wellington Dias. 

Lucas: “O que o senhor diz desse novo governo do Wellington...”
Edson: “De novo mesmo só a data”.

Expressas

O TJ-PI suspendeu lei que proibia discussão de gênero em escolas públicas e privadas de Picos. A medida cautelar é consequência de ação movida pelo Ministério Público do Estado.

As inscrições para a Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR) de 2019 já estão abertas. O prazo vai até 17 de maio.

Participantes que solicitaram a isenção da taxa do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) já podem conferir se os pedidos foram ou não aceitos.

O PT e as eleições A hora dos cartórios

Mais lidas desse blog