1. Colunas
  2. Arimatéia Azevedo
  3. Horizonte sombrio
Publicidade

Horizonte sombrio

Os dirigentes partidários, notadamente do MDB, PSDB, PSD e PP, têm se movimentado visando alianças para a disputa da principal prefeitura do Estado, a de Teresina, mas de olho na sucessão de Wellington Dias, em 2022. Eles ocupam os espaços da mídia, falam em nomes para a composição de chapas, sem atentarem, porém, para um fator preponderante: a identidade da oposição. O que está posto é que não há oposição unificada em torno de um ideário mínimo, comum e, dessa maneira, os dirigentes ficam desgarrados o que os torna presa fácil para serem mais uma vez engolfados nas artimanhas melífluas do ensebado governador. Já se disse que Wellington Dias, pela sua esperteza política, recebeu a alcunha de muçum, peixe muito liso, condição que faz do governador um adversário que ninguém segura, pois, muito sagaz e difícil de ser contido. A eleição de 2018 mostrava ao mesmo tempo a reação do eleitor a mais uma candidatura do governador (a quarta), mas não tinha a opção à altura para tirar o petista do cenário político. Em última instância, se dizia que o Piauí não tinha candidatos bons, apesar da espetacularização do oposicionista (ou oportunista) Dr. Pessoa e, por ter sido assim, se conclui que naquela eleição o eleitor forçosamente optou pelo menos ruim. Pelas articulações de agora, já repercutida na mídia, há fundados receios de que novamente o cenário pode se repetir. Wellington Dias está muito à vontade, demonstrando pouca preocupação com os passos dos ditos adversários porque, na sua engenharia, ele tem o domínio financeiro da máquina estadual, conseguiu 27 dos 30 deputados para o seu lado e ainda se dá ao luxo de atrair lideranças derruídas, encantando-as com os famosos DAS ou outros óbolos. Como diria o filósofo Hegel, os fatos e os homens na história se repetem ao menos duas vezes, ao que Max aduziu: ‘a primeira como farsa e a segunda como tragédia’. Eis o cenário da política piauiense: um horizonte sombrio. 

B. Sá Filho avisa que vai adotar postura independente no legislativo votando o que for positivo e bom para o Estado (Foto: Lucas Sousa / Portal AZ)

Alô, alô!

Já se fez relato para o governador Wellington Dias que este jornalista corre sério risco, pelas constantes ameaças que recebe. E nenhuma resposta do lado de lá.
E não será surpresa se, a qualquer hora, o mesmo valentão que faz tais ameaças, simule um assalto para que os bandidos tentem matar-me.
A estratégia é que tudo que possa atingir-me não os vincule.

A história da traição

Tempos atrás, o psicopata usou uma prostituta (que pode ter sido a própria mulher) para, passando-se por Joana, minha esposa, ir dizer a um certo empresário de Teresina que a esposa dele estava de caso amoroso com este jornalista. Muito sórdido.
A estratégia era: que houvesse reação extrema do suposto traído e praticasse um crime passional, assassinando-me. 
E ele, claro, livre de eventual culpa, sem vinculação com o caso.

Pistoleiros

O valentão não conseguiu nada em relação ao suposto adultério, porque ninguém acreditou em tão idiota e estapafúrdia história. 
E, por isso, ainda tenta de tudo, chegando ao cúmulo de anunciar que contratou bandidos trancafiados na penitenciária de Pedrinhas (MA) para virem fazer a execução. 

Independente

B. Sá Filho resolveu adotar postura independente no exercício do mandato na Assembleia Legislativa. 
Vai votar no que for interessante e positivo para o Estado do Piauí, segundo já avisou.

Diferente

A posição do deputado de Oeiras é bem diferente dos arroubos de Warton Lacerda que, nem bem aboletado no mandato, já ensaiava fazer oposição, com críticas, por assim dizer, a quem lhe deu o emprego.
Baixou o facho.

Sem prestígio

Goste ou não o governador Wellington Dias, B. Sá representa na Assembleia Legislativa o município de Oeiras, sua principal base eleitoral e onde, em matéria de governo estadual, não tem qualquer prestígio porque o El rei mercurial de lá é o esquentado Assis Carvalho.

Vai ter que engolir 

Vai ficar difícil para Wellington Dias reagir contra a posição adotada por B. Sá, porque, para tirá-lo, o governador vai deixar desempregados pelo menos seis suplentes.
B. Sá é o primeiro suplente e, como tal, vai agora botar boneco de verdade.

Tudo dele

Em Oeiras, o mandatário dos critérios políticos que resultam nos cargos dos órgãos estaduais é Assis Carvalho, principalmente na área da saúde.
Como Carvalho é fogo e intransigente, a turma de B. Sá fica à margem do governo na região.

Arrogância

Apesar de tudo que tem ocorrido no Brasil, com o partido reduzindo-se cada vez mais e, sobretudo, com seu principal líder preso, os petistas continuam exibindo e praticando arrogância desmedida. 
Não ouvem ninguém, não querem saber se tiveram aliados para chegar ao quarto mandato.

Coisa feia

Confusão grande para o ex-prefeito Avelar Ferreira, de São Raimundo Nonato. 
Ao TCE ele informou ter pago R$ 161 ao empresário Péricles Macário que, por sua vez, nega qualquer recebimento.
Avelar diz ter pago em cheque. Macário diz que só recebe dinheiro via transferência bancária.

Cadê?

Pior é que os cheques relacionados ao valor em questão foram sacados em 29 de dezembro. Mas no balancete que está na Câmara não há cópia de empenho e nem cópia dos cheques.

Sonegação

Ontem, no programa AZ no Rádio, da FM O DIA (92.7), o famoso delegado JJ informou que grandes grupos que atuam nos Cerrados piauienses sonegam impostos no Piauí.
E o rombo passa dos R$ 500 milhões.

Avaliação 

Até o final de 2019, os detentos do sistema prisional do Piauí serão classificados de acordo com os seus riscos para a sociedade. A avaliação começou com 217 internos da Casa de Detenção Provisória Cap. Carlos José Gomes de Assis, em Altos. 
Para Carlos Edilson, secretário de Justiça, esse sistema de gestão vai facilitar o processo de ressocialização.

Ping-Pong 
Encontro improvável

No Bar e Restaurante Zé Filho, zona Leste de Teresina, chega Adão Wallace para mais uma cotidiana visita. Dá de cara com Chico Oião, outro habitueé do pedaço. Adão estranha não encontrar lá o indefectível Paulo Henrique de Araújo Lima.

Adão: “Chico, rapaz estou precisando encontrar o Paulo Henrique”.
Chico Oião: “Aqui está difícil de vocês se encontrarem”.
Adão: “Por quê?”
Chico Oião: “Porque do jeito que vocês andam bebendo é mais fácil se encontrarem internados no Hospital Getúlio Vargas”.

Publicado originalmente em 11 de junho de 2016.

Expressas 

Entre os dias 19 e 22 de setembro, a capital piauiense recebe a maior mostra de dança do Piauí, que conta com a participação de grupos de todo o país.

A região da Piçarra, zona Sul de Teresina, passará por várias intervenções no trânsito.

A primeira mudança ocorrerá nesse sábado (20), com o binário das ruas Odilon Araújo e Picos, que terão os sentidos bairro/Centro e Centro/bairro, respectivamente.

Os dirigentes partidários, notadamente do MDB, PSDB, PSD e PP, têm se movimentado visando alianças para a disputa da principal prefeitura do Estado, a de Teresina, mas de olho na sucessão de Wellington Dias, em 2022. Eles ocupam os espaços da mídia, falam em nomes para a composição de chapas, sem atentarem, porém, para um fator preponderante: a identidade da oposição. O que está posto é que não há oposição unificada em torno de um ideário mínimo, comum e, dessa maneira, os dirigentes ficam desgarrados o que os torna presa fácil para serem mais uma vez engolfados nas artimanhas melífluas do ensebado governador. Já se disse que Wellington Dias, pela sua esperteza política, recebeu a alcunha de muçum, peixe muito liso, condição que faz do governador um adversário que ninguém segura, pois, muito sagaz e difícil de ser contido. A eleição de 2018 mostrava ao mesmo tempo a reação do eleitor a mais uma candidatura do governador (a quarta), mas não tinha a opção à altura para tirar o petista do cenário político. Em última instância, se dizia que o Piauí não tinha candidatos bons, apesar da espetacularização do oposicionista (ou oportunista) Dr. Pessoa e, por ter sido assim, se conclui que naquela eleição o eleitor forçosamente optou pelo menos ruim. Pelas articulações de agora, já repercutida na mídia, há fundados receios de que novamente o cenário pode se repetir. Wellington Dias está muito à vontade, demonstrando pouca preocupação com os passos dos ditos adversários porque, na sua engenharia, ele tem o domínio financeiro da máquina estadual, conseguiu 27 dos 30 deputados para o seu lado e ainda se dá ao luxo de atrair lideranças derruídas, encantando-as com os famosos DAS ou outros óbolos. Como diria o filósofo Hegel, os fatos e os homens na história se repetem ao menos duas vezes, ao que Max aduziu: ‘a primeira como farsa e a segunda como tragédia’. Eis o cenário da política piauiense: um horizonte sombrio. 

B. Sá Filho avisa que vai adotar postura independente no legislativo votando o que for positivo e bom para o Estado (Foto: Lucas Sousa / Portal AZ)

Alô, alô!

Já se fez relato para o governador Wellington Dias que este jornalista corre sério risco, pelas constantes ameaças que recebe. E nenhuma resposta do lado de lá.
E não será surpresa se, a qualquer hora, o mesmo valentão que faz tais ameaças, simule um assalto para que os bandidos tentem matar-me.
A estratégia é que tudo que possa atingir-me não os vincule.

A história da traição

Tempos atrás, o psicopata usou uma prostituta (que pode ter sido a própria mulher) para, passando-se por Joana, minha esposa, ir dizer a um certo empresário de Teresina que a esposa dele estava de caso amoroso com este jornalista. Muito sórdido.
A estratégia era: que houvesse reação extrema do suposto traído e praticasse um crime passional, assassinando-me. 
E ele, claro, livre de eventual culpa, sem vinculação com o caso.

Pistoleiros

O valentão não conseguiu nada em relação ao suposto adultério, porque ninguém acreditou em tão idiota e estapafúrdia história. 
E, por isso, ainda tenta de tudo, chegando ao cúmulo de anunciar que contratou bandidos trancafiados na penitenciária de Pedrinhas (MA) para virem fazer a execução. 

Independente

B. Sá Filho resolveu adotar postura independente no exercício do mandato na Assembleia Legislativa. 
Vai votar no que for interessante e positivo para o Estado do Piauí, segundo já avisou.

Diferente

A posição do deputado de Oeiras é bem diferente dos arroubos de Warton Lacerda que, nem bem aboletado no mandato, já ensaiava fazer oposição, com críticas, por assim dizer, a quem lhe deu o emprego.
Baixou o facho.

Sem prestígio

Goste ou não o governador Wellington Dias, B. Sá representa na Assembleia Legislativa o município de Oeiras, sua principal base eleitoral e onde, em matéria de governo estadual, não tem qualquer prestígio porque o El rei mercurial de lá é o esquentado Assis Carvalho.

Vai ter que engolir 

Vai ficar difícil para Wellington Dias reagir contra a posição adotada por B. Sá, porque, para tirá-lo, o governador vai deixar desempregados pelo menos seis suplentes.
B. Sá é o primeiro suplente e, como tal, vai agora botar boneco de verdade.

Tudo dele

Em Oeiras, o mandatário dos critérios políticos que resultam nos cargos dos órgãos estaduais é Assis Carvalho, principalmente na área da saúde.
Como Carvalho é fogo e intransigente, a turma de B. Sá fica à margem do governo na região.

Arrogância

Apesar de tudo que tem ocorrido no Brasil, com o partido reduzindo-se cada vez mais e, sobretudo, com seu principal líder preso, os petistas continuam exibindo e praticando arrogância desmedida. 
Não ouvem ninguém, não querem saber se tiveram aliados para chegar ao quarto mandato.

Coisa feia

Confusão grande para o ex-prefeito Avelar Ferreira, de São Raimundo Nonato. 
Ao TCE ele informou ter pago R$ 161 ao empresário Péricles Macário que, por sua vez, nega qualquer recebimento.
Avelar diz ter pago em cheque. Macário diz que só recebe dinheiro via transferência bancária.

Cadê?

Pior é que os cheques relacionados ao valor em questão foram sacados em 29 de dezembro. Mas no balancete que está na Câmara não há cópia de empenho e nem cópia dos cheques.

Sonegação

Ontem, no programa AZ no Rádio, da FM O DIA (92.7), o famoso delegado JJ informou que grandes grupos que atuam nos Cerrados piauienses sonegam impostos no Piauí.
E o rombo passa dos R$ 500 milhões.

Avaliação 

Até o final de 2019, os detentos do sistema prisional do Piauí serão classificados de acordo com os seus riscos para a sociedade. A avaliação começou com 217 internos da Casa de Detenção Provisória Cap. Carlos José Gomes de Assis, em Altos. 
Para Carlos Edilson, secretário de Justiça, esse sistema de gestão vai facilitar o processo de ressocialização.

Ping-Pong 
Encontro improvável

No Bar e Restaurante Zé Filho, zona Leste de Teresina, chega Adão Wallace para mais uma cotidiana visita. Dá de cara com Chico Oião, outro habitueé do pedaço. Adão estranha não encontrar lá o indefectível Paulo Henrique de Araújo Lima.

Adão: “Chico, rapaz estou precisando encontrar o Paulo Henrique”.
Chico Oião: “Aqui está difícil de vocês se encontrarem”.
Adão: “Por quê?”
Chico Oião: “Porque do jeito que vocês andam bebendo é mais fácil se encontrarem internados no Hospital Getúlio Vargas”.

Publicado originalmente em 11 de junho de 2016.

Expressas 

Entre os dias 19 e 22 de setembro, a capital piauiense recebe a maior mostra de dança do Piauí, que conta com a participação de grupos de todo o país.

A região da Piçarra, zona Sul de Teresina, passará por várias intervenções no trânsito.

A primeira mudança ocorrerá nesse sábado (20), com o binário das ruas Odilon Araújo e Picos, que terão os sentidos bairro/Centro e Centro/bairro, respectivamente.

O consórcio, a quarta entidade Vencedor ou vencido

Mais lidas desse blog