1. Colunas
  2. Arimatéia Azevedo
  3. Metástase corruptora
Publicidade

Metástase corruptora

A ciência médica de muito tempo se deu conta de que o açúcar funciona como um alimento poderoso para ampliar o alcance de células cancerosas. Neste sentido, um paciente com CA tende a ser submetido a uma dieta pobre em açúcares, sobretudo o refinado. Trazendo essa constatação para o mundo da administração pública, é igualmente sabido que a corrupção sistêmica se alimenta da permissividade dos agentes políticos eleitos ou não. Estende-se essa doença pelo tecido administrativo na medida em que as forças de autodefesa ou não existem ou se existem são coibidas de atuar, além de intimidades em sua ação pela força gravitacional de quem deveria dizer não à roubalheira. Do mesmo modo como o açúcar alimenta e faz multiplicar as células cancerosas para que eles se espalhem em metástase pelo organismo vivo, na administração pública é um indutor da corrupção sistêmica e desenfreada o gigantismo do tecido burocrático e a permissividade em manter malfeitorias, assim como a leniência em seu combate. Num ambiente como esse, naturalizam-se as malfeitorias, tornando-se a corrupção “parte” da cultura corporativa do setor público. Uma pena, porque isso custa muito dinheiro, reduz a qualidade dos serviços e faz com que qualquer um que esteja no setor público se sinta “autorizado” a agir conforme regras não escritas segundo as quais se todos fazem o errado é certo fazer o que não se deve fazer.

Marcelo Castro segue como um peso grande demais para decolar para o Senado (Foto: Lucas Sousa/ Portal AZ)

Atraso

Candidato a uma vaga de juiz jurista no TRE-PI, o advogado José Gonzaga Carneiro entregou no prazo determinado a documentação para se habilitar à indicação. Mas estranhamente, entregou certidões negativas vencidas. Com isso, abriu-se novo prazo para que ele corrigisse a informação.

Aposta

Há uma forte desconfiança de que o candidato, com relações conhecidas com o PT, tenha agido para retardar o processo de indicação dos nomes à Presidência da República. Certamente que apostando na vitória petista na corrida pelo Planalto. A conferir, pois.

Dá tempo?

Patinando atrás de Robert Rios (DEM) na corrida pelo Senado, o deputado federal Marcelo Castro (MDB) a esta altura do campeonato deve estar já se arrependendo da troca que fez. Isso porque não há quem considere na chapa governista que dê tempo para ele chegar entre os dois primeiros.

Problemas

Castro ainda não conseguiu ficar em terceiro lugar na corrida pelo Senado e está distante mais de 15 pontos percentuais dos dois primeiros colocados, Ciro Nogueira (Progressistas) e Wilson Martins (PSB), este último com mais certeza de voto que qualquer um candidato a senador.

Não vai não!

A questão é que Castro seria puxado por Wellington Dias, mas como o governador precisa cuidar mais de sua eleição e menos da eleição alheia, o deputado federal segue longe do ditado popular segundo o qual quem tem padrinho não morre pagão. Não é o caso dele. O padrinho existe, mas se não cuidar de sua vida corre o risco de morrer junto com o afilhado.

Negócio da China

Apesar de o governo do Estado ter lançado mão de parcelas de empréstimos consignados de servidores para fazer caixa, esse ainda parece ser um bom negócio. Tanto que o China Bank Construction, no Brasil atuando sob a bandeira do Banco Múltiplo, acaba de obter autorização para operar essa linha de crédito.

É festa!

Nem só de calçamento e aborrecimentos causados pela operação Itaorna vive a Coordenadoria de Desenvolvimento Social e Lazer. A entidade também faz festa com dinheiro público. Gastou R$ 180 mil para contratar as bandas Sela Rasgada, Fafá Santana, Dudu Nogueira e Lagosta Bronzeada para apresentação na XIII Cavalgada de Palmeira dos Soares, em Pedro II.

Sirene

Vem cá, por que razão o Hospital Dirceu Arcoverde, em Parnaíba, vai gastar R$ 51 mil, com dispensa de licitação, para contratar um serviço de ambulância à empresa Serve Vida Serviços de Remoção Ltda.?

Justíssimo

Por iniciativa do ex-deputado Mauro Tapety, uma lei estadual sancionada na semana passada reconhece 2 de dezembro como o dia estadual do advogado criminalista. Bem, com tanto político andando perigosamente perto da delinquência, faz sentido que se preste homenagem a tão indispensável categoria profissional.

Laranjas

As mulheres têm neste ano um papel de protagonistas como nunca houve na história das  eleições no Brasil, mas devido à dificuldade de elas terem esse mesmo papel nas estruturas partidárias, as alianças e partidos políticos apenas cumpriram no papel a cota de 30% para participação feminina nas chapas proporcionais.

Ping-Pong 

O nome da história

A jornalista Paula Danielle pede que o filho João Vicente invente uma história. O menino começa a botar para fora sua criatividade

João Vicente: “Era uma vez uma mulher chamada Cecília...”
Paula Danielle: “Não, João Vicente. Põe um nome de velho, porque na história a pessoa é velha. Põe tipo Ernestina. É melhor”.
João Vicente: “Quer dizer que quando eu ficar velho vou ter que mudar de nome?”

Originalmente publicado em 3 de julho de 2016.

Expressas

Termina hoje o prazo para quem quer participar de seletivo da Prefeitura de Parnaíba, destinado a 73 vagas em níveis médio e superior.

O Hospital Dirceu Arcoverde, em Parnaíba, fez compras sem licitação que somam R$ 1,573 milhão.

Pegou mesmo o apelido de “O Coiso” que o movimento de mulheres pôs em Jair Bolsonaro.

A ciência médica de muito tempo se deu conta de que o açúcar funciona como um alimento poderoso para ampliar o alcance de células cancerosas. Neste sentido, um paciente com CA tende a ser submetido a uma dieta pobre em açúcares, sobretudo o refinado. Trazendo essa constatação para o mundo da administração pública, é igualmente sabido que a corrupção sistêmica se alimenta da permissividade dos agentes políticos eleitos ou não. Estende-se essa doença pelo tecido administrativo na medida em que as forças de autodefesa ou não existem ou se existem são coibidas de atuar, além de intimidades em sua ação pela força gravitacional de quem deveria dizer não à roubalheira. Do mesmo modo como o açúcar alimenta e faz multiplicar as células cancerosas para que eles se espalhem em metástase pelo organismo vivo, na administração pública é um indutor da corrupção sistêmica e desenfreada o gigantismo do tecido burocrático e a permissividade em manter malfeitorias, assim como a leniência em seu combate. Num ambiente como esse, naturalizam-se as malfeitorias, tornando-se a corrupção “parte” da cultura corporativa do setor público. Uma pena, porque isso custa muito dinheiro, reduz a qualidade dos serviços e faz com que qualquer um que esteja no setor público se sinta “autorizado” a agir conforme regras não escritas segundo as quais se todos fazem o errado é certo fazer o que não se deve fazer.

Marcelo Castro segue como um peso grande demais para decolar para o Senado (Foto: Lucas Sousa/ Portal AZ)

Atraso

Candidato a uma vaga de juiz jurista no TRE-PI, o advogado José Gonzaga Carneiro entregou no prazo determinado a documentação para se habilitar à indicação. Mas estranhamente, entregou certidões negativas vencidas. Com isso, abriu-se novo prazo para que ele corrigisse a informação.

Aposta

Há uma forte desconfiança de que o candidato, com relações conhecidas com o PT, tenha agido para retardar o processo de indicação dos nomes à Presidência da República. Certamente que apostando na vitória petista na corrida pelo Planalto. A conferir, pois.

Dá tempo?

Patinando atrás de Robert Rios (DEM) na corrida pelo Senado, o deputado federal Marcelo Castro (MDB) a esta altura do campeonato deve estar já se arrependendo da troca que fez. Isso porque não há quem considere na chapa governista que dê tempo para ele chegar entre os dois primeiros.

Problemas

Castro ainda não conseguiu ficar em terceiro lugar na corrida pelo Senado e está distante mais de 15 pontos percentuais dos dois primeiros colocados, Ciro Nogueira (Progressistas) e Wilson Martins (PSB), este último com mais certeza de voto que qualquer um candidato a senador.

Não vai não!

A questão é que Castro seria puxado por Wellington Dias, mas como o governador precisa cuidar mais de sua eleição e menos da eleição alheia, o deputado federal segue longe do ditado popular segundo o qual quem tem padrinho não morre pagão. Não é o caso dele. O padrinho existe, mas se não cuidar de sua vida corre o risco de morrer junto com o afilhado.

Negócio da China

Apesar de o governo do Estado ter lançado mão de parcelas de empréstimos consignados de servidores para fazer caixa, esse ainda parece ser um bom negócio. Tanto que o China Bank Construction, no Brasil atuando sob a bandeira do Banco Múltiplo, acaba de obter autorização para operar essa linha de crédito.

É festa!

Nem só de calçamento e aborrecimentos causados pela operação Itaorna vive a Coordenadoria de Desenvolvimento Social e Lazer. A entidade também faz festa com dinheiro público. Gastou R$ 180 mil para contratar as bandas Sela Rasgada, Fafá Santana, Dudu Nogueira e Lagosta Bronzeada para apresentação na XIII Cavalgada de Palmeira dos Soares, em Pedro II.

Sirene

Vem cá, por que razão o Hospital Dirceu Arcoverde, em Parnaíba, vai gastar R$ 51 mil, com dispensa de licitação, para contratar um serviço de ambulância à empresa Serve Vida Serviços de Remoção Ltda.?

Justíssimo

Por iniciativa do ex-deputado Mauro Tapety, uma lei estadual sancionada na semana passada reconhece 2 de dezembro como o dia estadual do advogado criminalista. Bem, com tanto político andando perigosamente perto da delinquência, faz sentido que se preste homenagem a tão indispensável categoria profissional.

Laranjas

As mulheres têm neste ano um papel de protagonistas como nunca houve na história das  eleições no Brasil, mas devido à dificuldade de elas terem esse mesmo papel nas estruturas partidárias, as alianças e partidos políticos apenas cumpriram no papel a cota de 30% para participação feminina nas chapas proporcionais.

Ping-Pong 

O nome da história

A jornalista Paula Danielle pede que o filho João Vicente invente uma história. O menino começa a botar para fora sua criatividade

João Vicente: “Era uma vez uma mulher chamada Cecília...”
Paula Danielle: “Não, João Vicente. Põe um nome de velho, porque na história a pessoa é velha. Põe tipo Ernestina. É melhor”.
João Vicente: “Quer dizer que quando eu ficar velho vou ter que mudar de nome?”

Originalmente publicado em 3 de julho de 2016.

Expressas

Termina hoje o prazo para quem quer participar de seletivo da Prefeitura de Parnaíba, destinado a 73 vagas em níveis médio e superior.

O Hospital Dirceu Arcoverde, em Parnaíba, fez compras sem licitação que somam R$ 1,573 milhão.

Pegou mesmo o apelido de “O Coiso” que o movimento de mulheres pôs em Jair Bolsonaro.

O PT e as eleições O “Andrade” vem aí

Mais lidas desse blog