Traços e cores de Jabuh fazem da sua arte uma manifestação sublime e peculiar

O jovem Rafael Albuquerque (Jabuh) tem um talento nato para o mundo das artes, que foi descoberto não por acaso

Um encontro marcado às 15h40 na quinta-feira (14), em uma cafeteria de Teresina. No local, as obras de Rafael Albuquerque enchem o lugar de cores e formas fascinantes. 20 minutos depois, o artista se senta a mesa, onde o aguardo. Apesar da timidez, as mãos sujas de tinta revelam que antes dele ir ao local marcado para a entrevista estava pintando novas telas, que sem dúvidas, são as maiores manifestações de sua criatividade e dom artístico.

O artista plástico tem um talento peculiar para as pinturas. Foto: Divulgação
O artista plástico tem um talento peculiar para as pinturas. Foto: Divulgação

Apesar de ter 29 anos, a idade do artista não é sinônimo de imaturidade. Ao contrário, o jovem Rafael Albuquerque tem um talento nato para o mundo das artes, que foi descoberto não por acaso, mas sim apreciado por outros artistas piauienses, como Juscelino Nunes, Hudson Melo e Wêiler Barroso. E que outrora, fora revelado nas redes sociais e em exposições coletivas.

Mas o despertar pelo universo artístico foi na infância quando o artista começou a rabiscar as formas dos desenhos do chocolate surpresa da marca Nestlé. Mas o receio de ter o trabalho criticado e desvalorizado pelas pessoas fez com que o artista decidisse manter os desenhos desde essa época guardados a “sete chaves”. “Por muitos anos, guardei rabiscos de formas e personagens que viam a minha mente por receio do que as pessoas iam dizer”, contou.

Tons escuros e cores quentes são marcas registradas de suas pinturas. Foto: Divulgação
Tons escuros e cores quentes são marcas registradas de suas pinturas. Foto: Divulgação

Assim, o medo de ter o seu trabalho rejeitado pelo público fez com que Rafael mantivesse seu talento longe dos holofotes. Mas há dois anos, tudo isso mudou. E em pouco tempo, o que estava oculto foi revelado.

“Na verdade, tinha medo de querer trabalhar com isso. Porque esse mundo da arte está mais relacionado com a paixão. E quando você faz algo com amor, mas tem certa reprovação do público, isso deixa qualquer um triste. Então o meu maior desafio foi enfrentar o medo de ser reprovado pelo público. E aos poucos fui ingressando nesse universo e alcançando reconhecimento e aprovação das pessoas que o viam. E isso aconteceu de forma gradual e natural”, declarou.

Arte fora do casulo é arte revelada

Através das redes sociais, Rafael Albuquerque começou de forma tímida a apresentar seus rabiscos e telas. Aos poucos, internautas, artistas e até curadores internacionais começaram a elogiar seu trabalho. De acordo com ele, o trabalho “saiu finalmente do casulo” quando o artista fez uma ilustração de um cangaceiro nordestino, apenas com borra de tinta.

“Como pinto e posto telas de madrugada nas redes sociais, artistas de outros países começaram a elogiar e admirar meu trabalho. Inclusive curadores e admiradores de arte de países como Rússia, Bélgica, Itália, entre outros, começaram a escrever artigos e matérias sobre as minhas telas. Isso sem dúvidas foi um dos pontapés para que meu trabalho fosse finalmente reconhecido no Piauí”, revelou.

São Miguel, o Arcanjo, ilustrado com traços nordestinos. Foto: Divulgação
São Miguel, o Arcanjo, ilustrado com traços nordestinos. Foto: Divulgação

Apesar de expressar santos, mulheres, personagens nordestinos e animais, Rafael confessou que não segue uma temática específica. No entanto, os traços, as cores e a fisionomia do nariz da maioria dos personagens de suas telas são bem característicos e marcantes.

“Não sigo uma temática específica. Mas com relação a imagens de santos, tento trabalhar de forma diferente. Porque a fisionomia de santos que conhecemos é mais caracterizada por traços europeus, que não condiz com a realidade e nem o local onde esses ilustres nasceram”, observou.

Assim, o artista preferiu quebrar esse paradigma e criar imagens de santos com aspetos e características predominantemente nordestinas, como o nariz mais arredondado e os cabelos escuros, além do olhar cansado. “Gosto de tons mais orgânicos e escuros, como o preto, vermelho, além de cores mais quentes, como o amarelo e o laranja.

Cores, pinturas e o anseio por arte

Mas antes de ingressar nesse mundo artístico, Rafael confessou que cursou Publicidade Propaganda. Mas antes de concluir o curso deixou abandoná-lo e ingressar em um curso de Mecânica. “Sou apaixonado por Publicidade e Propaganda, mas não conclui o curso por medo do futuro”.

Outra curiosidade peculiar do artista é o apelido (título) de Jabuh. Ele contou que a referência do nome faz menção ao da bola de futebol Jabulani, que foi utilizada na Copa do Mundo Fifa de 2010, realizada na África.

Talento de Jabuh
Talento de Jabuh

Além disso, ele costuma escutar vários estilos musicais para se inspirar nos seus personagens. “Escolho uma playlist que tem haver com a pintura. Porque é necessário que eu entre na vibe do personagem. Pois quando faço personagens mais sagrados ou que lembrem o barroco, escuto mais músicas clássicas. Outra vez, por exemplo, ilustrei a Carmen Miranda, ao som de samba e de canções de sua autoria”, destacou.

 Além das pinturas, o artista plástico anseia trabalhar com outros segmentos artísticos. “Tenho uma vontade enorme de mexer com ferro, madeira e couro”.

Futuro artístico

Prestes a ser pai de Isís, Jabuh afirmou que mesmo tendo trabalhos valorizados e apreciados no mercado nacional, ele quer se dedicar mais a um negócio paralelo que possa lhe garantir uma estabilidade financeira.

“A arte proporcionou certa prosperidade em menos de dois anos. Mas confesso que pretendo ter um negócio paralelo, porque quem vive da arte sabe que nada é certo. Mesmo que eu tenha boas vendas em um determinado mês, mas no próximo não sei se terei. Por isso pretendo trabalhar com malhas ou no mercado gastronômico. Quero garantir um futuro melhor para a minha filha, mas jamais abrir mão da arte”.

É notório Jabuh que a sua arte é impar e que seu talento vai além de cores e traços. E que honra o Piauí possui de ter artistas como você. Saiba que o medo o impediu de mostrar o seu maior dom por anos, mas agora nada o impede de ir além. Lembre-se a sua arte rompe fronteiras!

Mais lidas nesse momento