Mercado de trabalho tem melhor 1º trimestre desde 2003, diz IBGE

O mercado de trabalho teve o melhor início de ano desde 2003, segundo dados da PME (Pesquisa Mensal de Emprego), divulgada nesta quinta-feira pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). De janeiro a março, a taxa de desemprego média foi de 7,4%, bem abaixo dos melhores resultados verificados até então -- 8,6% no primeiro trimestre de 2009 e 8,4% nos três meses iniciais de 2008.

Em março, a taxa de desocupação ficou em 7,6%, melhor resultado para o período desde o início da série histórica, em março de 2002. Em janeiro e fevereiro, foram observados também os melhores níveis no desemprego para os respectivos meses, mostrando que o mercado de trabalho está em um patamar diferente em relação aos anos anteriores.

"Março é um período em que ainda há dispensas de trabalhadores temporários, e quando as pessoas costumam procurar emprego, após o período de férias e o Carnaval. Apesar de ter acelerado um pouco, considero que a taxa de desemprego apresenta estabilidade", afirmou o coordenador da PME, Cimar Azeredo.

A renda do trabalhador segue em ascensão. Em março, teve média de R$ 1.413,40, melhor resultado para o mês, desde o início da série. Foi o segundo melhor resultado, se forem analisados todos os meses da série histórica. A média de março fica bem próxima do desempenho de julho de 2002, que chegou a R$ 1.415,74.

Na média trimestral, a renda do trabalhador foi de R$ 1.404,69, melhor desempenho para o período, superando em 0,7% os R$ 1.395,43 médios observados de janeiro a março de 2009. Se comparado ao primeiro trimestre de 2003, houve alta de 12,8%.

Cimar Azeredo destacou, numa comparação com março de 2002, o primeiro mês da série, a evolução do mercado de trabalho. O número de desocupados, por exemplo, caiu 30,3%, o que representou menos 777 mil desempregados.

Ao mesmo tempo, foram criados 4,5 milhões de postos de trabalho desde o início da série, com elevação de 25,9%.

Entre as atividades analisadas, o IBGE indicou uma perda de 89 mil vagas no comércio em relação a fevereiro, variação negativa de 2,1%. Sobre março de 2009, houve crescimento de 43 mil vagas, alta de 1,1%.

Na indústria, foram 10 mil vagas a menos ante fevereiro, retração de 0,3%. Na comparação com igual período no ano passado, foram abertas 117 mil vagas, elevação de 3,4%.

O setor de construção apresentou dados positivos na PME de março. Em relação a fevereiro, foi observada a criação de 42 mil vagas, incrmento de 2,5%. Perante março de 2009, a variação foi de 10,6%, refletindo a abertura de 163 mil postos de trabalho.

Mais lidas nesse momento