Relatório da IFI aponta recuperação lenta da economia

A economia brasileira apresenta crescimento lento. Os estados reduzem investimentos para tentar melhorar o resultado das contas. O Orçamento de 2018 eleva despesas e provoca aumento do deficit. Essas são algumas das conclusões do Relatório de Acompanhamento Fiscal (RAF), publicado nesta segunda-feira pela Instituição Fiscal Independente (IFI), órgão vinculado ao Senado.

Chery do Brasil (11/2014)
Chery do Brasil (11/2014)

O produto interno bruto (PIB) cresceu 1% no primeiro trimestre e 0,2% nos três meses seguintes. De acordo com a décima edição do RAF, os números são “indícios iniciais de recuperação lenta após longo ciclo recessivo”. Segundo a IFI, as primeiras informações sobre o último trimestre “são positivas e reforçam a perspectiva de melhora da atividade”.

"Não é uma recuperação retumbante. Mas o nosso cenário de crescimento de 0,7% para o PIB neste ano vai se mostrando cada vez mais provável. Para o ano que vem, o crescimento projetado pela IFI é de 2,3%. Depois de ter passado por uma recessão muito grande, já há de fato uma recuperação. Ela é inicial, mas já tem impactos sobre as receitas do governo" afirma o diretor-executivo da IFI, Felipe Scudeler Salto.

O documento destaca ainda a desaceleração do desemprego. Após alcançar -3,5% entre janeiro e junho, a retração caminha próxima de -2,5% a partir de julho. De acordo com o RAF, a massa salarial avançou 3,9% no terceiro trimestre em relação ao mesmo período do ano anterior. A IFI projeta inflação de 4,3% em 2018.

O estudo foi apresentado pelo diretor-executivo da IFI, Felipe Salto. Foto. Jane de Araújo/Agência Senado
O estudo foi apresentado pelo diretor-executivo da IFI, Felipe Salto. Foto. Jane de Araújo/Agência Senado

Ajuste fiscal dos estados

O documento destaca ainda o esforço fiscal dos governos estaduais, cujo resultado primário “vem apresentando um esboço de recuperação”. Mas, de acordo com o RAF, o ajuste “penaliza os investimentos”, que chegaram ao “menor patamar da década”.

As aquisições de ativos fixos chegaram a 0,4% do PIB em junho de 2017. Entre 2011 e 2014, haviam crescido de 0,7% para 1% do PIB. As estimativas da IFI sugerem que os investimentos públicos estaduais caíram pela metade: de R$ 57,8 bilhões em 2014 para R$ 28,7 bilhões acumulados em doze meses até junho de 2017.

Mais despesas

O RAF também aponta que o Orçamento de 2018 pode elevar as receitas líquidas em R$ 14,5 bilhões, mas permite o aumento das despesas primárias em R$ 44,5 bilhões. A maior parte desse aumento é nas chamadas despesas discricionárias, não obrigatórias. Os investimentos avançaram R$ 23,9 bilhões, e os gastos com custeio subiram R$ 23,7 bilhões. A previsão a meta de deficit primário foi majorada em R$ 30 bilhões, chegando a R$ 159 bilhões.

Mais lidas nesse momento