A falsa facilidade

 Não existe eleição fácil, muito embora a vantagem inercial do candidato seja sempre um favor decisivo para que se amealhem mais ou menos apoios. Ocorre agora no Piauí isso. O cenário eleitoral favorece imensamente o atual ocupante da principal cadeira do Palácio de Karnak, a sede do governo estadual. Mas cabe lembrar o ditado segundo o qual em eleição como na mineração, só depois da apuração. Assim, a vantagem inicial do governador não pode ser levada como elemento de definição da eleição ainda se faltando percorrer quase cinco meses – seja para os governistas, seja para a oposição. Neste sentido, quem está no governo precisa evitar que o favoritismo se converta em excesso de confiança e quem se posta na oposição deve entender que a chance maior do adversário não pode servir para superestimar essa força.

Leia mais na coluna do jornalista Arimatéia Azevedo

Mais lidas nesse momento