Governo apresenta Programa ‘Startups Maranhão’ a instituições estratégicas

O Programa ‘Startups Maranhão’ foi apresentado pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), na terça-feira (11), a representantes da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) e da Fundação de Amparo à Pesquisa e Desenvolvimento Científico no Maranhão (Fapema). Após a apresentação, foram definidas as diretrizes para o edital que selecionará nove iniciativas nas áreas de serviços de internet, tecnologias sustentáveis e mídias digitais.


A previsão é que o certame seja lançado pela Fapema até o final de agosto. Os proponentes terão o apoio durante 12 meses, tempo em que as ideias deverão ser maturadas. A Secti está seguindo o modelo de outros projetos que funcionam em âmbito nacional, como o ‘Startup Brasil’. O investimento de R$ 450 mil será dividido entre as nove empresas aprovadas.

“O Governo entra com o recurso financeiro. A partir disso, a gente compreende que é importante que esses projetos priorizem os serviços públicos, independente da área. Pode ser educação, saúde, transporte. Se cumprirem esses papéis, as ideias contribuirão não só para o Maranhão, mas também para outros Estados”, disse o secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação, Bira do Pindaré, explicando a estratégia do governo Flávio Dino para desenvolver a ciência e a tecnologia no Maranhão.

O direcionamento para um modelo como o das startups se deu pelo fato de elas exigirem um baixo custo, já que uma das metas é que o produto ofertado seja vendido para várias pessoas sem que haja prejuízo para o empreendedor ou para o cliente. Uma prova de que este mercado tem crescido no Estado é o Workshop sobre o tema, que será promovido pelo Sebrae na próxima terça-feira (18), que já conta com fila de espera.

Além do financiamento, os proponentes das ideias selecionadas receberão consultorias financeiras, administrativas e técnicas de incubadoras, responsáveis por auxiliar na manutenção das empresas nos primeiros anos. Haverá, ainda, o reforço dado pelas aceleradoras, que impulsionam o negócio.

De acordo com o professor do Departamento de Informática da Ufma, Ancelmo Paiva, para que a iniciativa dê certo, é fundamental abrir oportunidades para o mercado interno e descontruir a característica maranhense de exportar mão de obra. Neste sentido, o edital será voltado para empresas locais, sendo que 30% do valor serão destinados para os continentes.

O presidente da Fapema, Alex Oliveira, destacou alguns dos critérios de seleção. “Levaremos em consideração o caráter inovador das propostas, a capacidade técnica da equipe, que deve deixar bem claro o papel de cada um – o do executor, do desenvolvedor, e do criador - e a difusão que o serviço terá pelo Estado”, pontuou.

Outra questão lembrada foi a necessidade de um local que abrigue as startups. O espaço servirá para a interação entre os microempresários. O secretário adiantou que vai buscar uma parceria para a instalação em curto prazo. Em um tempo maior, este papel será destinado ao prédio que fica ao lado do Convento das Mercês, pertencente à Ciência e Tecnologia. Para Bira, a ocupação da estrutura, que está sendo reformada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), é uma estratégia de atrair empreendedores, principalmente os que estão começando, e de ocupar de forma positiva o Centro da capital.

Secom

Mais lidas nesse momento