Pesquisa em Bom Jesus incrementa produção de castanha nativa

Existem algumas espécies, ainda pouco conhecidas na flora do Piauí e do Maranhão, que apresentam potencialidades para o mercado de amêndoas. Uma delas é alvo de pesquisas no campus da Universidade Federal do Piauí em Bom Jesus: a castanha-do-gurguéia (Dipteryx lacunifera Ducke). Também conhecida como "fava-de-morcego", esse vegetal apresenta no seu interior uma amêndoa bastante nutritiva e de sabor agradável muito utilizada como tira-gosto, que é vendida em feiras livres de algumas cidades.

A produção de mudas com qualidade de castanha-do-gurguéia e de outras espécies nativas do Piauí ainda é um assunto pouco estudado. Dessa forma, pesquisadores do campus Cinobelina Elvas estão investindo em tecnologias para melhorar a produtividade de plantas regionais e incentivar seu plantio por agricultores familiares.

As mudas são acompanhadas desde a semeadura até o desenvolvimento no campo - o que requer conhecimento das necessidades nutricionais -, pois há diferença tanto entre as espécies, quanto entre os nutrientes. A ausência de algumas dessas necessidades, com certeza, limitará o crescimento da planta.

O pesquisador Raimundo Falcão está desenvolvendo uma dissertação de mestrado em Bom Jesus cujo objetivo é avaliar os efeitos de diferentes doses de nitrogênio, bem como a necessidade de tratamento de solo na formação de mudas de castanha-do-gurguéia, espécie com potencial para exploração comercial no Piauí.

Uma das descobertas feitas, segundo o professor Dr. Ítalo Hebert Cavalcante, é que é desnecessário tratar o solo para o plantio dessa variedade de castanha. "Por ser nativa daqui, a planta já está adequada às condições locais e ao solo da região. Ela pode até precisar de biofertilizantes, e nós também desenvolvemos pesquisas nesse sentido neste campus", explica.

Ítalo Cavalcante e Raimundo Falcão estão formulando também, como parte da pesquisa, uma apostila objetiva e com linguagem simplificada para ensinar os agricultores da região sobre formas de trabalhar com mudas. O material visa otimizar a produtividade no Vale do Gurguéia e disseminar informações que auxiliem não somente empresários, mas também trabalhadores da agricultura familiar. A dissertação deverá ser apresentada até o segundo semestre de 2010.

*Com informações da APPM