Criança de 11 anos é estuprada e assassinada pelo padrasto em Teresina

O delegado Ademar Canabrava, titular do 7º DP, investiga o caso de uma criança de 11 anos, que foi estuprada e assassinada na manhã de hoje (21/01). O corpo foi encontrado dentro de sua própria residência, debaixo da cama, no Parque Alvorada, zona norte de Teresina. Alissandra Marques Mendes (foto à esquerda) teria sido estuprada e morta pelo próprio padrasto, conhecido como "Carlim" (foto à direita), que está foragido.

Às 4h da manhã, Maria Alessandra Marques Rezende, saiu de casa com “Carlim” para trabalhar. A filha, como de costume, ficou sozinha em casa. Todos os dias, às 8h, uma prima delas chega à casa para fazer companhia a criança.

Hoje, quando a moça chegou encontrou sangue espalhados pela casa e o corpo de Alessandra enrolado em panos, debaixo da cama.

O delegado Ademar Canabrava, titular do 7º DP, que fica a dois quarteirões do local do crime, encontrou um colete de mototaxista de “Carlim” sujo de sangue, a calça (exatamente a que ele estava usando na manhã de hoje quando saiu com Maria Alessandra) também estava na casa e suja de sangue. 

A casa estava trancada e ninguém mais tem a chave além da mãe da vítima, do acusado e da moça que olhava a vítima.

Os investigadores não têm mais dúvidas: “Carlim” saiu com a mãe da vítima, a deixou no local de trabalho dela, e de lá, saiu dizendo que iria trabalhar como mototaxista (profissão dele), mas, na realidade voltou para cometer o crime.

“Carlim” fugiu na moto Titan vermelha de placa LWM 1725, Teresina. Era a moto que ele usava como mototaxista.

Como ele apareceu na vida da família
Há dois anos, Maria Alessandra conheceu “Carlim”. Ele trabalhava em uma oficina de geladeira. E como não tinha casa, morava no próprio local de trabalho.

Maria levou “Carlim” para morar na casa dela, na Rua Antônio Monteiro, 1456, Parque Alvorada. Na casa, era Maria, a filha Alissandra e “Carlim”.

Na semana passada, Maria reclamou para a madrinha Maria dos Remédios Marques (foto à direita), 42 anos (que também é sua tia), que “Carlim” andava com ciúmes demais e ameaçava lhe matar.

“Acho que ele fez isso com a menina para se vingar da mãe”, disse Remédios.

A faca usada para sangrar Alissandra foi uma peixeira usada para cortar carne na própria casa.

Os primeiros exames já indicam que a vítima foi estuprada. Uma vizinha escutou gritos, mas pensou que fosse brincadeira.

O delegado Canabrava acredita que “Carlim” colocou um pano no rosto da menina e a estuprou, mas ela (vítima) teria o reconhecido e por isso foi morta. 

A moto que "Carlim" usava como mototaxista foi comprada pela mãe da vítima, que deu para ele trabalhar.

O clamor tomou conta da casa de Alessandra. A delegada geral Hildete Evangelista foi lá acompanhar passo-a-passo as investigações do caso e conversar com familiares. Garantiu que todas as providências serão adotadas.

Aissandra tinha passado de ano e iria estudar a 6ª série em escola particular do Parque Alvorada.



















Mais lidas nesse momento