PP libera alianças para Estados montar palanques

O PP (Partido Progressista) decidiu em reunião da Executiva na quarta-feira (28) dar liberdade aos Estados na realização de coligações partidárias para as eleições de outubro. A decisão libera as lideranças estaduais oficializar alianças tanto com o PT, quanto com PSDB para eleger governadores, senadores e deputados.

O PP, aliado do governo Lula, vem sendo sondado pelo PSDB para que seu presidente, senador Francisco Dornelles (RJ), ocupe a vice na chapa do pré-candidato à Presidência, José Serra (PSDB). O partido agrega um minuto e meio à propaganda de TV.

Apesar da decisão de independência estadual, a legenda insiste que a posição para a eleição nacional só sai em junho.

O deputado João Pizzolatti (SC) declarou:

- Não há pré-definição. Vamos identificar a tendência nacional.

Ele deu como exemplos de diferenças regionais a Bahia e o Rio de Janeiro, onde o PP estará com a governista Dilma Rousseff (PT), e Minas Gerais e Rio Grande do Sul, com Serra.

O deputado Ricardo Barros (PP-PR), que também participou do encontro, adianta que nas últimas três eleições o PP não se coligou nacionalmente, o que significaria, agora, não apoiar nem Dilma nem Serra. Barros afirmou:

- Ficamos neutros.

O PP faz parte do governo Lula, com a pasta do Ministério das Cidades, mas também já fez parte da asministração de Fernando Henrique Cardoso.

De acordo com o PP, a diretriz nos Estados atende à prioridade da legenda de aumentar o número de parlamentares, de 42 para 60 deputados e de 1 para cinco senadores.

Mais lidas nesse momento