Delator diz que ouviu de Temer que presidente poderia auxiliar Eduardo Cunha no STF

Assista aqui as delações feitas por executivos da JBS

(Atualizada às 17h35)

O empresário Joesley Batista afirmou em depoimento de delação premiada que ouviu em conversa com Michel Temer que o presidente poderia "ajudar" o deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) junto a dois ministos do Supremo Tribunal Federal (STF).

A afirmação está em um dos vídeos dos depoimentos do empresário à Procuradoria-Geral da República, tornados públicos nesta sexta-feira (19) pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

De acordo com o empresário, na conversa que teve com Temer - e que foi gravada por ele -, o presidente disse que poderia auxilia Cunha com "um ou dois" ministros da Corte.

"Ele me fez um comentário curioso que foi o seguinte: 'Eduardo quer que eu ajude ele no Supremo poxa. Eu posso ajudar com um ou dois, com 11 não dá'. Também fiquei calado, ouvindo. Não sei como o presidente poderia ajudá-lo", afirmou Batista.

Em nota, a Secretaria de Imprensa da Presidência da República respondeu: "O presidente diz na gravação que não ajudou. Basta ouvir."

No relato feito por Joesley à PGR, ele não fala sobre quais ministros o presidente se referiu na conversa, nem dá mais detalhes sobre a que tipo de ajuda Temer se referia.

Em ofício enviado nesta quinta-feira (18) ao Supremo, no qual pediu acesso ao conteúdo da gravação, o presidente afirmou ter sido alvo de "interceptação ilícita" por parte de Joesley Batista.

Em um pronunciamento no Palácio do Planalto, também nesta quinta, no qual disse que não renunciará à Presidência da República, Temer disse que a gravação era "clandestina".

No áudio da conversa entre os dois, e que foi entregue por Joesley à PGR, não é possível identificar, em nenhum trecho, se Temer falou sobre a ajuda a Cunha. Na gravação, há diversos ruídos que impedem a compreensão do que foi dito.
 

Supremo Tribunal Federal divulga vídeos da delação de sete executivos da JBS; Assista aqui

O Supremo Tribunal Federal (STF) divulgou nesta sexta-feira os vídeos da delação premiada de sete executivos da JBS, maior produtora de proteína animal do mundo, incluindo os donos da empresa, Joesley e Wesley Batista.

Joesley Batista, presidente do Conselho do JDF
Joesley Batista, presidente do Conselho do JDF

Assista abaixo aos depoimentos dos empresários, que causaram uma hecatombe política em Brasília ao citar o presidente Michel Temer, os ex-presidentes petistas Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, os ministros Gilberto Kassab (PSD) e Marcos Pereira (PRB), o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), e os senadores Aécio Neves (PSDB-MG), José Serra (PSDB-SP) e Marta Suplicy (PMDB-SP), entre outros.

Joesley Batista afirma que a JBS pagou 400 milhões de reais em propina a políticos, entre doações oficiais de campanha e caixa dois.

Joesley Batista relata encontro em que gravou o presidente Michel Temer, que consentiu com pagamentos ao ex-deputado Eduardo Cunha e o operador financeiro Lúcio Funaro, ambos presos, para mantê-los “calmos”. Ele também narra encontros gravados com o deputado federal afastado Rodrigo Rocha Loures, indicado por Temer para atender interesses da JBS no governo.

Assista os vídeos abaixo:

Mais lidas nesse momento