Fachin entende que inquérito contra Maia não está ligado à Lava Jato

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), acolheu argumentos da defesa e entendeu que o inquérito que investiga repasses ilegais da Odebrecht ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), não tem relação com a Operação Lava Jato.

Rodrigo Maia é suspeito de ter recebido propina de R$ 950 milhões da OdebrechtMarcelo Camargo/Agência Brasil
No inquérito, Maia é investigado junto com seu pai, César Maia (DEM-RJ), ex-prefeito do Rio de Janeiro e hoje vereador carioca.

Rodrigo Maia é suspeito de ter recebido propina de R$ 950 milhões da Odebrecht. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Rodrigo Maia é suspeito de ter recebido propina de R$ 950 milhões da Odebrecht. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Ambos são apontados pela Procuradoria-Geral da República (PGR) como suspeitos de receber R$ 950 mil em propina da Odebrecht para irrigar campanhas políticas, em troca de atuação pela aprovação de uma medida provisória com incentivos à indústria química. Eles foram citados por cinco delatores da empresa.

A defesa de Rodrigo Maia argumentou que os fatos em nada estavam relacionados com desvios na Petrobras, alvo principal das investigações da Lava Jato no STF. Fachin acatou os argumentos, remetendo o processo para que a presidente do Supremo, ministra Cármen Lúcia, decida sobre a redistribuição.

Desde que assumiu a relatoria da Lava Jato, Fachin determinou a redistribuição de 74 inquéritos para outros ministros do STF, das mais de 150 investigações oriundas da Operação que já passaram por seu gabinete.

Mais lidas nesse momento