Temer chama Maia para contornar crise com bancadas do PMDB e do PSDB por ministério da articulação política

O presidente Michel Temer chamou nesta quinta-feira (23) o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para uma reunião com os deputados Carlos Marun (PMDB-MS) e Baleia Rossi (PMDB-SP) para discutirem a crise entre PMDB e PSDB pelo ministério da articulação política.

Foto: Beto Barata
Foto: Beto Barata

Segundo o Blog apurou, Maia disse durante o encontro que o governo e peemedebistas da Câmara haviam errado com Antonio Imbassahy – atual ministro da articulação política – ao ventilar sua demissão pela imprensa sem sequer o deputado Carlos Marun ter sido convidado para a vaga.

Marun concordou, afirmando que não havia ainda sido convidado e seguia à disposição do governo.

Já Baleia Rossi, líder do PMDB, chegou a dizer que alguns deputados ameaçavam não comparecer ao jantar da Previdência na noite desta quarta (22), pois encaravam como uma desfeita do governo a não indicação de Marun para o posto.

Temer, segundo o Blog apurou, irritou-se e disse que não aceitava a saída de Imbassahy por pressão. E lembrou da "lealdade" do ministro tucano durante o auge da crise política do governo.

Maia pegou carona e lembrou que o governo precisa contar com os votos do PSDB para a reforma da Previdência. Nos cálculos do governo, é o mesmo número dado a favor de Temer nas duas denúncias: cerca de 20 votos.

A saída de Imbassahy, na avaliação de aliados de Temer, apenas foi adiada, já que, inclusive, havia sido acertada entre os tucanos na quarta-feira.

Aecio Neves propôs a Temer, na manhã de quarta, que o governo anunciasse a saída de Imbassahy no dia 12 de dezembro.
Temer aceitou, mas, como o PMDB se atropelou ao anunciar Marun, o governo suspendeu as tratativas para substituir Imbassahy.