Socorro diz que aprovação de suas contas é um gesto de responsabilidade e maturidade dos vereadores

E por isso estou feliz, claro, pois qual o gestor que não quer ter um atestado de probidade, uma certidão de que aplicou os recursos corretamente cumprindo todos os itens e índices da lei de responsabilidade fiscal”, disse.

Socorro Waquim: Discurso
Socorro Waquim: Discurso

Após a votação que aprovou por unanimidade suas prestações de contas referentes ao exercício financeiro de 2010 quando esteve à frente da gestão da Prefeitura de Timon, a ex-prefeita Socorro Waquim em entrevista ao blogdoribinha afirmou que ver o “gesto com muita responsabilidade, pois a câmara, por ser um ente político faz um julgamento político também em cima do julgamento técnico do TCE, que prepara toda análise, avaliação e encaminha para cá, mas por compor a base de oposição, ser a líder, isso em nada interferiu na decisão dessa Casa Legislativa, por isso esse poder deixa um legado para as gerações futuras”, afirmou Socorro Waquim como ex-gestora a posição da Câmara.

Ela adiantou também que “é preciso analisar os atos, as prerrogativas de uma forma neutra, isenta, mas técnica responsável, mais justa, e foi isso que a Câmara fez. Pegou todo parecer recomendando aprovação do TCE, com ressalvas, que são erros considerados formais, que por serem dessa forma, a própria corte, não toma isso como ato de ilícito, ato de improbidade, que possa ter causado prejuízo ao erário, por isso considera ressalva formal, mas o TCE aprova, porque cumprimos todos os índices constitucionais conforme determina a lei de responsabilidade fiscal, apresentamos a documentação à contento”, argumento Socorro Waquim.

Socorro Waquim: Discurso
Socorro Waquim: Discurso
Quanto à possibilidade ou a temeridade de decisão contrária pela reprovação de suas contas durante o trâmite do processo de análise, a ex-prefeita disse que “na verdade não senti a possibilidade de algum vereador votar contra, pois o meu papel foi apresentar minha defesa à Casa através da comissão e tiver o cuidado de explicar os itens da minha defesa de forma que pudesse haver o melhor esclarecimento possível, mas eles jamais poderiam me antecipar qual seria a decisão da comissão. E por outro lado, contamos com a gratidão e trabalho feito, portanto recebendo a aprovação do relatório da comissão”, disse Socorro.

Segundo a ex-prefeita, sua decisão de se abster da votação “foi por entender que como hoje estava sendo julgada uma prestação de contas minha, hoje vereadora, e de quando fui prefeita de Timon, não deveria opinar, apenas apresentar a defesa e aguardar o resultado. Dessa forma não legislo em causa própria e o resultado foi positivo. E por isso estou feliz, claro, pois qual o gestor que não quer ter um atestado de probidade, uma certidão de que aplicou os recursos corretamente cumprindo todos os itens e índices da lei de responsabilidade fiscal”, disse.

De acordo com ex-prefeita na prestação de contas de 2010 constam itens importantes de sua gestão como os repasses à Câmara de forma correta, aplicação dos recursos da folha de forma contemplativa, o repasse do Fundeb, que o gestor tem obrigação de repassar 25 por cento foram repassados mais de 40, na saúde o repasse era de 15 por cento foram repassado mais de 37 por cento, disse.

A ex-prefeita acrescentou que apesar da ressalva técnica, mas o mais importante e que foi analisado na Câmara e no TCE e que o prefeito não pode, é no último ano de sua gestão, nos dos últimos quadrimestres deixar nenhuma pendência para os governos posteriores, que não estejam firmados dentro do que é legal e permitido, analisou a vereadora.