Com aval do governador, coronel Carlos Augusto faz opção pelo PHS para se candidatar a deputado

O PT vai ter que reduzir sua projeção de votos de legenda na disputa das eleições para a Assembléia podendo comprometer significativamente o plano de lançar chapa pura e tentar duplicar sua bancada de deputado estadual. Isso porque a direção do partido não contava com um desfalque de última hora. O coronel Carlos Augusto, que deixou em abril o comando da Polícia Militar para se candidatar nas eleições de outubro, optou pelo PHS e não o PT o partido ao qual irá se filiar.

Carlos Augusto teve o aval do governador Wellington Dias para escolher o partido de sua preferência para a disputa das eleições. Como ele é militar da ativa, primeiro vai submeter seu nome à convenção do PHS em julho e só depois de aprovado pelos convencionais assinará a ficha de filiação. O PHS fará coligação com outros partidos nanicos com registro na justiça eleitoral mas apoiará a candidatura de Wellington Dias ao governo. Com a perda do coronel, o PT terá que fazer seus cálculos.