1. Blogs
  2. Opinião
  3. A reforma foi uma chamada ao Cristianismo Autêntico!
Publicidade

A reforma foi uma chamada ao Cristianismo Autêntico!

“Observamos que, em resposta aos abusos da Igreja Católica Romana, os protestantes cunharam cinco slogans ou lemas: somente a Escritura (sola Scriptura), somente a graça (sola gratia), somente a fé (sola fides), somente Cristo (solus Christus) e glória somente a Deus (soli Deo Gloria). Os fundamentos da doutrina reformada podem ser resumidos nessas cinco divisas da Reforma. Consideremos o significado e as implicações de cada um desses slogans. A Reforma foi uma chamada ao cristianismo autêntico, uma tentativa de escapar da corrupção medieval da fé por meio de renovação e reforma. Seus ens inos, que giravam em torno da repetição quíntupla da palavra sola (“ somente”), eram uma mensagem radical para aquela época (e deve ser para a nossa), porque exige um compromisso com um ponto de vista completamente teocêntrico da fé e da vida.” Por John D. Hannah, To God be the Glory (Wheaton, III.: Crossway).

O que foi a Reforma Protestante? Segundo Leandro Saioneti foi um movimento religioso que se voltou contra ações e regras da Igreja Católica. O principal agente da Reforma foi o monge alemão Martinho Lutero (1483-1546), que, em 1517, publicou 95 teses que fundamentalmente criticavam a venda de indulgências (quando a Igreja “concedia” o perdão divino a qualquer pessoa que pagasse). O ato deu origem a um processo de ruptura que abalou seriamente o domínio católico na Europa Ocidental e permitiu o surgimento das Igrejas Reformadas. A Reforma ocorreu no século 16, mas, antes disso, pensadores já condenavam as práticas da Igreja, como o teólogo inglês John Wycliffe (1320-1384) e o filósofo tcheco Jan Huss (1369-1415). Wycliffe quis que a Igreja se limitasse às questões espirituais, deixando a política ao Estado. Já Huss iniciou um movimento baseado nas ideias de Wycliffe e se opôs à venda de indulgências e à riqueza do clero. As Igrejas Reformadas pregam e vivem o Cristianismo Autêntico!

De acordo com a Revisa Super Interessante A Reforma ganhou força nos âmbitos econômico e político porque a Igreja incomodou a nobreza: os senhores feudais tinham que pagar tributos que eram controlados pelo papa. A classe burguesa, por sua vez, também apoiava o movimento, pois ele defendia as ideias de prosperidade e acúmulo de capital, fatores importantes naquele período, marcado pela transição do feudalismo para o sistema mercantil. O movimento foi apoiado por estudiosos da época. No Renascimento, antes mesmo da insurgência de Lutero, pesquisadores europeus estudaram os primórdios do& nbsp;cristianismo e tiveram acesso a textos bíblicos originais (escritos em grego e hebraico). Tendo em mãos os dogmas antigos, eles começaram a questionar as mudanças e as ações da Igreja. A Reforma Protestante também foi apoiada por pensadores e religiosos – incluindo os próprios católicos. Eles identificaram abusos de poder da Igreja Católica, que era fortalecida pelo seu poderio econômico e pela sua influência política e social. Começaram, assim, a questionar a moralidade da Igreja e a pedir mudanças em sua estrutura. Todos querem Cristianismo autêntico e verdadeiro!

“Observamos que, em resposta aos abusos da Igreja Católica Romana, os protestantes cunharam cinco slogans ou lemas: somente a Escritura (sola Scriptura), somente a graça (sola gratia), somente a fé (sola fides), somente Cristo (solus Christus) e glória somente a Deus (soli Deo Gloria). Os fundamentos da doutrina reformada podem ser resumidos nessas cinco divisas da Reforma. Consideremos o significado e as implicações de cada um desses slogans. A Reforma foi uma chamada ao cristianismo autêntico, uma tentativa de escapar da corrupção medieval da fé por meio de renovação e reforma. Seus ens inos, que giravam em torno da repetição quíntupla da palavra sola (“ somente”), eram uma mensagem radical para aquela época (e deve ser para a nossa), porque exige um compromisso com um ponto de vista completamente teocêntrico da fé e da vida.” Por John D. Hannah, To God be the Glory (Wheaton, III.: Crossway).

O que foi a Reforma Protestante? Segundo Leandro Saioneti foi um movimento religioso que se voltou contra ações e regras da Igreja Católica. O principal agente da Reforma foi o monge alemão Martinho Lutero (1483-1546), que, em 1517, publicou 95 teses que fundamentalmente criticavam a venda de indulgências (quando a Igreja “concedia” o perdão divino a qualquer pessoa que pagasse). O ato deu origem a um processo de ruptura que abalou seriamente o domínio católico na Europa Ocidental e permitiu o surgimento das Igrejas Reformadas. A Reforma ocorreu no século 16, mas, antes disso, pensadores já condenavam as práticas da Igreja, como o teólogo inglês John Wycliffe (1320-1384) e o filósofo tcheco Jan Huss (1369-1415). Wycliffe quis que a Igreja se limitasse às questões espirituais, deixando a política ao Estado. Já Huss iniciou um movimento baseado nas ideias de Wycliffe e se opôs à venda de indulgências e à riqueza do clero. As Igrejas Reformadas pregam e vivem o Cristianismo Autêntico!

De acordo com a Revisa Super Interessante A Reforma ganhou força nos âmbitos econômico e político porque a Igreja incomodou a nobreza: os senhores feudais tinham que pagar tributos que eram controlados pelo papa. A classe burguesa, por sua vez, também apoiava o movimento, pois ele defendia as ideias de prosperidade e acúmulo de capital, fatores importantes naquele período, marcado pela transição do feudalismo para o sistema mercantil. O movimento foi apoiado por estudiosos da época. No Renascimento, antes mesmo da insurgência de Lutero, pesquisadores europeus estudaram os primórdios do& nbsp;cristianismo e tiveram acesso a textos bíblicos originais (escritos em grego e hebraico). Tendo em mãos os dogmas antigos, eles começaram a questionar as mudanças e as ações da Igreja. A Reforma Protestante também foi apoiada por pensadores e religiosos – incluindo os próprios católicos. Eles identificaram abusos de poder da Igreja Católica, que era fortalecida pelo seu poderio econômico e pela sua influência política e social. Começaram, assim, a questionar a moralidade da Igreja e a pedir mudanças em sua estrutura. Todos querem Cristianismo autêntico e verdadeiro!

Previdência no Piauí e a liminar A origem do mito