1. Blogs
  2. Murilo Noleto
  3. “Acabou, porra”
Publicidade

“Acabou, porra”

Essa é a última frase vociferada pelo presidente Bolsonaro. 

O que pode estar acontecendo com a cabeça do presidente Bolsonaro já que, dias após dia, ele se mostra cada vez mais boçal. Vamos aos fatos.

Ontem, o ministro Alexandre Moraes, que preside o inquérito sobre as Fake News, determinou que a Polícia Federal- uma polícia judiciária do estado brasileiro e não do governante de plantão - fizesse apreensão e busca em casas e ambientes de trabalho de pessoas que comprovadamente vivem a achincalhar as autoridades constituídas do legislativo e do judiciário brasileiro. Tudo dentro da mais perfeita legalidade. 

Essa decisão do ministro Alexandre Moraes foi a pá de cal para o presidente entrar em pânico, convocando reunião ministerial de emergência, emitindo sinais de que essa busca e apreensão de celulares e computadores dos infamantes estaria colocando a ordem institucional brasileira em risco. Ele,  Bolsonaro e os filhos, passaram o resto do dia, gravando lives com ameaças golpistas. 

Já hoje pela manhã, ao sair do Palácio da Alvorada, no cercadinho onde se aglomeram de 20 a 30 adeptos, tanto na saída como na chegada à residência oficial, Bolsonaro discursou.”Ontem foi o último dia. Eu peço a Deus que ilumine as poucas pessoas que ousam se julgar melhores e mais poderosas do que os outros, que se coloquem no seu devido lugar, que nós respeitamos e dizemos mais: não podemos falar em democracia sem um Judiciário independente, sem um Legislativo também independente, para que possam tomar decisões, não monocraticamente por vezes, mas as questões que interessam ao povo como um todo, que tomem, mas de modo que seja ouvido o colegiado. Acabou porra! Me desculpem o desabafo. Acabou! Não dá para admitir mais atitudes de certas pessoas individuais, tomando de forma quase pessoal certas ações.” 

Que fala mais maluca! Bolsonaro vai da ameaça velada ao ministro Alexandre Moraes, finge valorizar Legislativo e Judiciário e termina deitando falação de como o Judiciário deve se comportar nas suas decisões. 

Todo esse alopramento simplesmente porque a justiça brasileira quer que acabe de vez o funcionamento desse verdadeiro exército de apoiadores de Bolsonaro, que se valem das redes sociais, na vã tentativa de desmoralizar instituições e pessoas, tanto do Judiciário, como do Legislativo brasileiro.

É isso.

Essa é a última frase vociferada pelo presidente Bolsonaro. 

O que pode estar acontecendo com a cabeça do presidente Bolsonaro já que, dias após dia, ele se mostra cada vez mais boçal. Vamos aos fatos.

Ontem, o ministro Alexandre Moraes, que preside o inquérito sobre as Fake News, determinou que a Polícia Federal- uma polícia judiciária do estado brasileiro e não do governante de plantão - fizesse apreensão e busca em casas e ambientes de trabalho de pessoas que comprovadamente vivem a achincalhar as autoridades constituídas do legislativo e do judiciário brasileiro. Tudo dentro da mais perfeita legalidade. 

Essa decisão do ministro Alexandre Moraes foi a pá de cal para o presidente entrar em pânico, convocando reunião ministerial de emergência, emitindo sinais de que essa busca e apreensão de celulares e computadores dos infamantes estaria colocando a ordem institucional brasileira em risco. Ele,  Bolsonaro e os filhos, passaram o resto do dia, gravando lives com ameaças golpistas. 

Já hoje pela manhã, ao sair do Palácio da Alvorada, no cercadinho onde se aglomeram de 20 a 30 adeptos, tanto na saída como na chegada à residência oficial, Bolsonaro discursou.”Ontem foi o último dia. Eu peço a Deus que ilumine as poucas pessoas que ousam se julgar melhores e mais poderosas do que os outros, que se coloquem no seu devido lugar, que nós respeitamos e dizemos mais: não podemos falar em democracia sem um Judiciário independente, sem um Legislativo também independente, para que possam tomar decisões, não monocraticamente por vezes, mas as questões que interessam ao povo como um todo, que tomem, mas de modo que seja ouvido o colegiado. Acabou porra! Me desculpem o desabafo. Acabou! Não dá para admitir mais atitudes de certas pessoas individuais, tomando de forma quase pessoal certas ações.” 

Que fala mais maluca! Bolsonaro vai da ameaça velada ao ministro Alexandre Moraes, finge valorizar Legislativo e Judiciário e termina deitando falação de como o Judiciário deve se comportar nas suas decisões. 

Todo esse alopramento simplesmente porque a justiça brasileira quer que acabe de vez o funcionamento desse verdadeiro exército de apoiadores de Bolsonaro, que se valem das redes sociais, na vã tentativa de desmoralizar instituições e pessoas, tanto do Judiciário, como do Legislativo brasileiro.

É isso.

Teresina no caminho certo O ornitorrinco jurídico e a rebarbarização do direito