Publicidade

Duas notas

A primeira diz respeito à uma publicação do consagrado jornalista Ancelmo Gois de O Globo, traçando um paralelo entre os dois sistemas de ensino municipais das cidades do Rio de Janeiro e Teresina. 

Anselmo Gois discorre sobre a prova Brasil que acaba de ser publicado, dizendo que Teresina do prefeito Firmino Filho, manteve-se na primeira posição dentre as capitais( nos anos iniciais e finais do ensino fundamental e continua melhorando. Já o município do Rio de Janeiro, de Marcelo Crivela, apesar de ter um PIB- produto interno bruto- per capita duas vezes maior do que o de( Teresina e como se sabe, há uma relação direta entre nível sócio-econômico e desempenho educacional) aparece mal na foto da Prova Brasil. Está em 13o lugar nos anos iniciais e em 7o nos finais do ensino fundamental. 

A segunda nota,  alude à administração do ex-presidente do STF, Antônio Dias Toffoli. 

No exercício da presidência do STF, Dias Toffoli, arquivou todas as delações do ex-governador Sérgio Cabral. 

Antes dessa decisão, achou por bem , ele Dias Toffoli, ouvir o Procurador Geral da República Augusto Aras. 

O notório PGR Augusto Aras, notificou Dias Toffoli dizendo que, não via motivos da persecução criminal prosseguir. 

À Toffoli , não restou outra alternativa, ao decidir pelo arquivamento das delações de Sérgio Cabral: “ o pedido do titular da ação penal( Ministério Público) deve ser acolhido sem discussão do mérito”, disse Dias Toffoli. 

Diante dessa decisão do ministro Dias Toffoli, ficamos a nos questionar , se uma decisão da mais alta autoridade do poder judiciário, não merece a devida atenção de um magistrado local que, diante da manifestação do dono da ação penal o Ministério Público do Estado do Piauí, recomendando a revogação da prisão domiciliar do jornalista Arimateia Azevedo, o doutor juiz, insiste em manter o jornalista preso há mais de cem dias, sob a dissimulada alegação de que , aguarda uma decisão de um Habeas Corpus impetrado pela defesa do jornalista no Superior Tribunal de Justiça. 

Dá para acreditar?

A primeira diz respeito à uma publicação do consagrado jornalista Ancelmo Gois de O Globo, traçando um paralelo entre os dois sistemas de ensino municipais das cidades do Rio de Janeiro e Teresina. 

Anselmo Gois discorre sobre a prova Brasil que acaba de ser publicado, dizendo que Teresina do prefeito Firmino Filho, manteve-se na primeira posição dentre as capitais( nos anos iniciais e finais do ensino fundamental e continua melhorando. Já o município do Rio de Janeiro, de Marcelo Crivela, apesar de ter um PIB- produto interno bruto- per capita duas vezes maior do que o de( Teresina e como se sabe, há uma relação direta entre nível sócio-econômico e desempenho educacional) aparece mal na foto da Prova Brasil. Está em 13o lugar nos anos iniciais e em 7o nos finais do ensino fundamental. 

A segunda nota,  alude à administração do ex-presidente do STF, Antônio Dias Toffoli. 

No exercício da presidência do STF, Dias Toffoli, arquivou todas as delações do ex-governador Sérgio Cabral. 

Antes dessa decisão, achou por bem , ele Dias Toffoli, ouvir o Procurador Geral da República Augusto Aras. 

O notório PGR Augusto Aras, notificou Dias Toffoli dizendo que, não via motivos da persecução criminal prosseguir. 

À Toffoli , não restou outra alternativa, ao decidir pelo arquivamento das delações de Sérgio Cabral: “ o pedido do titular da ação penal( Ministério Público) deve ser acolhido sem discussão do mérito”, disse Dias Toffoli. 

Diante dessa decisão do ministro Dias Toffoli, ficamos a nos questionar , se uma decisão da mais alta autoridade do poder judiciário, não merece a devida atenção de um magistrado local que, diante da manifestação do dono da ação penal o Ministério Público do Estado do Piauí, recomendando a revogação da prisão domiciliar do jornalista Arimateia Azevedo, o doutor juiz, insiste em manter o jornalista preso há mais de cem dias, sob a dissimulada alegação de que , aguarda uma decisão de um Habeas Corpus impetrado pela defesa do jornalista no Superior Tribunal de Justiça. 

Dá para acreditar?

As pesquisas Repúdio à inação