Jornalista é assassinada a facadas em Brasília

Vanessa Veiga tinha diversas experiências em televisão. Atualmente, trabalhava no Ministério da Cultura e fazia mestrado na UnB

A jornalista Vanessa Veiga Esteves, 55 anos, que atualmente trabalhava no Ministério da Cultura e fazia mestrado em Teorias do Jornalismo na Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília, foi assassinada a facadas, na frente do prédio onde morava, no bloco C da quadra 408, da Asa Norte, na capital federal, por volta da meia-noite desta terça-feira (08).

Vanessa Veiga (Foto: Facebook)
Vanessa Veiga (Foto: Facebook)

A polícia suspeita que foi latrocínio. Os assassinos abordaram a jornalista no estacionamento do prédio onde residia, quando estacionava o seu carro. Levaram a bolsa de Vanessa e deixaram o carro no mesmo local do crime e fugiram.

Os vizinhos disseram que ainda ouviram os gritos de Vanessa, mas ninguém chegou a tempo de socorrê-la. Ela não resistiu aos ferimentos dos golpes de faca e morreu antes da viatura do SAMU chegar ao local do crime.    

O prédio onde a vítima morava, em apartamento sozinha, tem muitas câmeras. A polícia está analisando as imagens, mas não divulgou para a imprensa para não atrapalhar as investigações.

Vanessa Veiga Esteves se formou em Jornalismo na Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Na Faculdade de Comunicação da UnB, pesquisava na linha Jornalismo e Sociedade. Tinha pós-graduação em Comunicação e Imagem pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC RJ) e História da Filosofia (Mosteiro de São Bento - Rio de Janeiro).

A jornalista tinha diversas experiências em televisão aberta (TVE e TV Manchete) e por assinatura (canais SPORTV, MSW e GNT) nas áreas de programação, edição, finalização, produção, formatação de programas, divulgação de material da programação para distintas plataformas (jornal, revistas, web etc), direção e edição de documentários, produção e edição de coberturas jornalísticas e de entretenimento. Idealizadora do sistema de informática de busca de imagens da Globosat.

Trabalhou na FUNARTE, no Rio de Janeiro, e atualmente trabalhava na SAv (Secretaria do Audiovisual) do Ministério da Cultura - MinC, na análise de projetos culturais patrocinados pela Lei Rouanet, em Brasília.

Desde o ano passado, Vanessa Veiga realizava uma pesquisa sobre as blogueiras de moda.

Segundo amigas, recentemente, Vanessa estava muito feliz pois iria a Portugal apresentar um trabalho em um simpósio internacional.

Ministério da Cultura publica nota de pesar:

O Ministério da Cultura (MinC) manifesta pesar pelo falecimento da servidora Maria Vanessa Veiga Esteves, 55 anos, morta em um assalto na noite desta terça-feira (8), quando chegava em casa, na quadra 409 Norte, em Brasília (DF).

Maria Vanessa era servidora temporária do Ministério da Cultura desde maio de 2013 e estava lotada na Secretaria do Audiovisual (SAv). Formada em Comunicação Social e mestranda em Jornalismo na Universidade de Brasília (UnB), a servidora era analista de projetos culturais da Lei Rouanet e tinha vasta experiência na área de TV. "Ela era bastante respeitada pelo conhecimento que detinha e pela própria pessoa amável e incrível", afirmou o secretário do Audiovisual do MinC, João Batista Silva.

O gerente do passivo da SAv, Wanderlan Fernandes Guedes Filho, afirmou que todos os colegas estão consternados com a notícia. "Ela estava cheia de planos e feliz por ter tido a notícia de que um de seus trabalhos foi aprovado para ser apresentado em um simpósio, em Portugal. Foi uma crueldade o que fizeram, porque ela não esboçou nenhuma reação", disse.

Considerada uma colega maternal e acolhedora, a mineira de Juiz de Fora morava sozinha em Brasília. A família ainda não informou acerca do velório e enterro da servidora.

Mais lidas nesse momento