1. Editorias
  2. Meio Ambiente
  3. Governo investiga navios que podem ser origem do óleo que atingiu praias do Piauí
Publicidade

Governo investiga navios que podem ser origem do óleo que atingiu praias do Piauí

Manchas estão poluindo quase todo o litoral nordestino desde setembro

O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, disse hoje (11), no Rio de Janeiro, que, caso o óleo que atinge praias do Nordeste tenha partido de um navio, houve crime ambiental porque nenhuma embarcação informou a ocorrência de um possível vazamento perto da costa brasileira. No Piauí, seis praias foram poluídas com a substância. 

Ele participou da despedida dos atletas que vão representar o Brasil nos Jogos Mundiais Militares, em Wuhan, na China, entre os dias 14 e 28 deste mês.

O ministro Fernando Azevedo e Silva disse que as causas da poluição por óleo em praias do Nordeste estão sendo investigadas (Foto: Arquivo/Tânia Rêgo/Agência Brasil

"Uma das possibilidades é que um navio, passando no Atlântico Norte, teve algum incidente ou acidente, e as correntes chegam ao litoral do Nordeste. E ali, em Sergipe e Pernambuco, uma parte das correntes vai para o Norte e outra vai para o Sul. É exatamente o que está ocorrendo. Então, estamos investigando esses navios e essas bandeiras", disse.

"Se aconteceu isso, e há grande possibilidade, se torna um crime ambiental, porque esses navios não informaram um possível vazamento", afirmou.

Hipótese

O ministro reforçou que o governo brasileiro está investigando navios que trafegaram pelo Atlântico e podem ser a origem do óleo encontrado em praias do Nordeste desde setembro. Ele acredita ser pequena a possibilidade de o vazamento ter como origem um navio já naufragado, como chegou a ser cogitado por pesquisadores.

Substância escura, oleosa e de forte odor já atingiu 54 cidades do litoral nordestino (Foto: Instituto Tartaruga do Delta)

Uma conclusão que as investigações já apontam, segundo disse, é que o petróleo não é brasileiro. "Ele tem um DNA do tipo do petróleo que tem a Venezuela. O que não significa que eles sejam culpados em relação a isso", argumentou.

A chegada do óleo ao litoral do Brasil começou a ser detectada no início de setembro, mas em quantidades mais esparsas. "No início de outubro, se intensificaram muito esses óleos", acrescentou o ministro da Defesa.

Entenda o caso 

A substância escura, oleosa e de forte odor já atingiu 54 cidades do litoral nordestino desde o dia 02 de setembro. Há informações de que essas manchas, encontradas em 113 praias, já mataram tartarugas e aves. 

O comandante da Capitania dos Portos do Piauí, capitão Benjamin Dante Rodrigues Duarte, destacou ao Portal AZ que, além da Praia do Arrombado, a substância foi achada em Atalaia, Praia do Coqueiro, Pedra do Sal, Peito de Moça e Cajueiro da Praia no estado. 

Matérias relacionadas:

Marinha investiga mancha de óleo encontrada na área do Delta do Parnaíba    

Marinha identifica origem de manchas encontradas no Delta do Parnaíba

Manchas de óleo atingem praia no Piauí e equipe de inspeção naval analisa danos ambientais

Manchas de óleo atingem mais cinco praias no Piauí; equipes analisam danos ambientais

O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, disse hoje (11), no Rio de Janeiro, que, caso o óleo que atinge praias do Nordeste tenha partido de um navio, houve crime ambiental porque nenhuma embarcação informou a ocorrência de um possível vazamento perto da costa brasileira. No Piauí, seis praias foram poluídas com a substância. 

Ele participou da despedida dos atletas que vão representar o Brasil nos Jogos Mundiais Militares, em Wuhan, na China, entre os dias 14 e 28 deste mês.

O ministro Fernando Azevedo e Silva disse que as causas da poluição por óleo em praias do Nordeste estão sendo investigadas (Foto: Arquivo/Tânia Rêgo/Agência Brasil

"Uma das possibilidades é que um navio, passando no Atlântico Norte, teve algum incidente ou acidente, e as correntes chegam ao litoral do Nordeste. E ali, em Sergipe e Pernambuco, uma parte das correntes vai para o Norte e outra vai para o Sul. É exatamente o que está ocorrendo. Então, estamos investigando esses navios e essas bandeiras", disse.

"Se aconteceu isso, e há grande possibilidade, se torna um crime ambiental, porque esses navios não informaram um possível vazamento", afirmou.

Hipótese

O ministro reforçou que o governo brasileiro está investigando navios que trafegaram pelo Atlântico e podem ser a origem do óleo encontrado em praias do Nordeste desde setembro. Ele acredita ser pequena a possibilidade de o vazamento ter como origem um navio já naufragado, como chegou a ser cogitado por pesquisadores.

Substância escura, oleosa e de forte odor já atingiu 54 cidades do litoral nordestino (Foto: Instituto Tartaruga do Delta)

Uma conclusão que as investigações já apontam, segundo disse, é que o petróleo não é brasileiro. "Ele tem um DNA do tipo do petróleo que tem a Venezuela. O que não significa que eles sejam culpados em relação a isso", argumentou.

A chegada do óleo ao litoral do Brasil começou a ser detectada no início de setembro, mas em quantidades mais esparsas. "No início de outubro, se intensificaram muito esses óleos", acrescentou o ministro da Defesa.

Entenda o caso 

A substância escura, oleosa e de forte odor já atingiu 54 cidades do litoral nordestino desde o dia 02 de setembro. Há informações de que essas manchas, encontradas em 113 praias, já mataram tartarugas e aves. 

O comandante da Capitania dos Portos do Piauí, capitão Benjamin Dante Rodrigues Duarte, destacou ao Portal AZ que, além da Praia do Arrombado, a substância foi achada em Atalaia, Praia do Coqueiro, Pedra do Sal, Peito de Moça e Cajueiro da Praia no estado. 

Matérias relacionadas:

Marinha investiga mancha de óleo encontrada na área do Delta do Parnaíba    

Marinha identifica origem de manchas encontradas no Delta do Parnaíba

Manchas de óleo atingem praia no Piauí e equipe de inspeção naval analisa danos ambientais

Manchas de óleo atingem mais cinco praias no Piauí; equipes analisam danos ambientais