1. Editorias
  2. Política
  3. Ministro alemão do Exterior condena política de EUA para Irã
Publicidade

Ministro alemão do Exterior condena política de EUA para Irã

O ministro alemão do Exterior, Heiko Maas, criticou a política de pressão máxima do presidente americano, Donald Trump

O ministro alemão do Exterior, Heiko Maas, criticou a política de pressão máxima do presidente americano, Donald Trump, contra o Irã. Ressaltando que “gestos de ameaça e operações militares” em nada alteraram o comportamento do governo iraniano, observou: “não devemos fazer de conta que, com uma mudança de regime em Teerã introduzida de fora, a situação vá melhorar automaticamente. Em outras partes isso já deu bem errado, por exemplo no Iraque.”

Ministro alemão do Exterior condena política de EUA para Irã (Foto: Poder 306)

Se a intenção é melhorar a situação dos iranianos, de nada adianta suspender o diálogo, disse Maas ao periódico alemão Bild am Sonntag neste domingo (19.jan.2020). “Então precisamos falar com o Irã e exigir o respeito aos direitos humanos. Seja como for, meras ameaças e exacerbações militares não adiantaram de nada. Queremos evitar um incêndio descontrolado no Oriente Médio. A União Europeia aposta em diplomacia, em vez de escalada.”

Segundo o político social-democrata, americanos e europeus têm abordagens diferentes: “enquanto os EUA saíram por conta própria do acordo nuclear [com o Irã] e apostam na pressão máxima, queremos alcançar em conjunto progresso através de negociações.” Os países signatários, Alemanha, França e Reino Unido, queriam manter o pacto a fim de evitar uma bomba atômica iraniana.

Por outro lado, Maas urgiu Teerã a voltar imediatamente a se ater aos comprometimentos previstos no pacto internacional. “É preciso parar com a intensificação do enriquecimento de urânio. A AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica) deve voltar a ter acesso a todas as instalações [nucleares] do Irã, para verificar isso exatamente.”

O chefe de diplomacia alemão criticou, ainda, o procedimento do governo iraniano contra manifestantes críticos ao regime: “a forma como as autoridades de segurança do Irã estão tratando os manifestantes é absolutamente inaceitável e decididamente condenada por nós. A liderança em Teerã não pode lidar com os direitos humanos como tem feito nas semanas passadas.”

Em maio de 2018, Washington rescindiu unilateralmente o acordo nuclear com o Irã e voltou a impor sanções ao país. A Alemanha, França e Reino Unido ainda tentam salvar o tratado.

O ministro alemão do Exterior, Heiko Maas, criticou a política de pressão máxima do presidente americano, Donald Trump, contra o Irã. Ressaltando que “gestos de ameaça e operações militares” em nada alteraram o comportamento do governo iraniano, observou: “não devemos fazer de conta que, com uma mudança de regime em Teerã introduzida de fora, a situação vá melhorar automaticamente. Em outras partes isso já deu bem errado, por exemplo no Iraque.”

Ministro alemão do Exterior condena política de EUA para Irã (Foto: Poder 306)

Se a intenção é melhorar a situação dos iranianos, de nada adianta suspender o diálogo, disse Maas ao periódico alemão Bild am Sonntag neste domingo (19.jan.2020). “Então precisamos falar com o Irã e exigir o respeito aos direitos humanos. Seja como for, meras ameaças e exacerbações militares não adiantaram de nada. Queremos evitar um incêndio descontrolado no Oriente Médio. A União Europeia aposta em diplomacia, em vez de escalada.”

Segundo o político social-democrata, americanos e europeus têm abordagens diferentes: “enquanto os EUA saíram por conta própria do acordo nuclear [com o Irã] e apostam na pressão máxima, queremos alcançar em conjunto progresso através de negociações.” Os países signatários, Alemanha, França e Reino Unido, queriam manter o pacto a fim de evitar uma bomba atômica iraniana.

Por outro lado, Maas urgiu Teerã a voltar imediatamente a se ater aos comprometimentos previstos no pacto internacional. “É preciso parar com a intensificação do enriquecimento de urânio. A AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica) deve voltar a ter acesso a todas as instalações [nucleares] do Irã, para verificar isso exatamente.”

O chefe de diplomacia alemão criticou, ainda, o procedimento do governo iraniano contra manifestantes críticos ao regime: “a forma como as autoridades de segurança do Irã estão tratando os manifestantes é absolutamente inaceitável e decididamente condenada por nós. A liderança em Teerã não pode lidar com os direitos humanos como tem feito nas semanas passadas.”

Em maio de 2018, Washington rescindiu unilateralmente o acordo nuclear com o Irã e voltou a impor sanções ao país. A Alemanha, França e Reino Unido ainda tentam salvar o tratado.