1. Editorias
  2. Geral
  3. Adapi esclarece que há apenas um caso de peste suína registrado no Piauí
Publicidade

Adapi esclarece que há apenas um caso de peste suína registrado no Piauí

Órgão disse ainda que sacrifício sanitário dos animais só ocorre depois de análise minuciosa

A Agencia de Defesa Agropecuária do Piauí (ADAPI) enviou nota sobre o foco de peste suína identificado no município de Lagoa do Piauí. O órgão esclarece no estado há apenas um caso registrado até o momento. 

O órgão informou ainda que “somente após análise minuciosa da situação de emergência, é que se decide pelo sacrifício sanitário dos animais da região do foco seguindo o protocolo com a utilização do rifle sanitário, técnica recomendada pela legislação e adotada, inclusive, em outras partes do mundo”.

(Foto: ilustrativa)

Confira a nota na íntegra:

Nota de esclarecimento da Adapi 

Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Piauí (ADAPI) esclarece que em relação a nota “A peste se alastra” do Portal AZ, onde é veiculada a informação de que “já são mais de 15 (quinze) focos, a maioria na região do médio Parnaíba”, que até o presente momento SÓ EXISTE UM FOCO DA DOENÇA NO ESTADO, conforme informado por Notas Técnicas oficiais. A existência da doença, até o presente momento, foi confirmada por exames laboratoriais em apenas uma propriedade, localizada no município de Lagoa do Piauí – PI. 

 A respeito da informação de que os animais estão sendo “mortos na bala” afirmamos que o Grupo Especial de Atenção às Enfermidades Emergenciais ou Exóticas (GEASE) segue rigorosamente a legislação federal, isto é, a Instrução Normativa Nº 27, de 20 de abril de 2004. Somente após análise minuciosa da situação de emergência, é que se decide pelo sacrifício sanitário dos animais da região do foco seguindo o protocolo com a utilização do rifle sanitário, técnica recomendada pela legislação e adotada, inclusive, em outras partes do mundo.

O Portal Az veiculou ainda que a ADAPI estaria “dizimando o rebanho sem laudos sanitários”, sendo que a circulação do vírus na região já está comprovada cientificamente através de exames laboratoriais realizados no Laboratório Oficial. Somente os animais suscetíveis da região do foco, e que tiveram contato direto com animais diagnosticados positivos, é que serão sacrificados e taxados para posterior indenização. Os animais com contato indireto, terão a situação avaliada pelo GEASE para determinação das medidas a serem tomadas. 

A Agência esclarece ainda que as ações de fiscalização do trânsito foram intensificadas nos Postos de Vigilância Agropecuária da ADAPI localizadas nas fronteiras do Estado, bem como em fiscalizações volantes realizadas dentro do Piauí.  Por isso, solicitamos a compreensão dos produtores e criadores do Piauí no sentido de que só adquiram animais que adentrem no território estadual pelos corredores oficiais estabelecidos em portaria e portando os documentos zoossanitários exigidos pela legislação, para a própria segurança dos rebanhos e com o intuito de evitar a circulação e disseminação do vírus no restante do Estado. 

A ADAPI reafirma seu compromisso e obrigação de elaborar, coordenar e executar a política de Defesa Agropecuária no Estado do Piauí, realizando seu trabalho sempre de forma responsável e primando pelo desenvolvimento econômico do setor primário piauiense.

A Agencia de Defesa Agropecuária do Piauí (ADAPI) enviou nota sobre o foco de peste suína identificado no município de Lagoa do Piauí. O órgão esclarece no estado há apenas um caso registrado até o momento. 

O órgão informou ainda que “somente após análise minuciosa da situação de emergência, é que se decide pelo sacrifício sanitário dos animais da região do foco seguindo o protocolo com a utilização do rifle sanitário, técnica recomendada pela legislação e adotada, inclusive, em outras partes do mundo”.

(Foto: ilustrativa)

Confira a nota na íntegra:

Nota de esclarecimento da Adapi 

Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Piauí (ADAPI) esclarece que em relação a nota “A peste se alastra” do Portal AZ, onde é veiculada a informação de que “já são mais de 15 (quinze) focos, a maioria na região do médio Parnaíba”, que até o presente momento SÓ EXISTE UM FOCO DA DOENÇA NO ESTADO, conforme informado por Notas Técnicas oficiais. A existência da doença, até o presente momento, foi confirmada por exames laboratoriais em apenas uma propriedade, localizada no município de Lagoa do Piauí – PI. 

 A respeito da informação de que os animais estão sendo “mortos na bala” afirmamos que o Grupo Especial de Atenção às Enfermidades Emergenciais ou Exóticas (GEASE) segue rigorosamente a legislação federal, isto é, a Instrução Normativa Nº 27, de 20 de abril de 2004. Somente após análise minuciosa da situação de emergência, é que se decide pelo sacrifício sanitário dos animais da região do foco seguindo o protocolo com a utilização do rifle sanitário, técnica recomendada pela legislação e adotada, inclusive, em outras partes do mundo.

O Portal Az veiculou ainda que a ADAPI estaria “dizimando o rebanho sem laudos sanitários”, sendo que a circulação do vírus na região já está comprovada cientificamente através de exames laboratoriais realizados no Laboratório Oficial. Somente os animais suscetíveis da região do foco, e que tiveram contato direto com animais diagnosticados positivos, é que serão sacrificados e taxados para posterior indenização. Os animais com contato indireto, terão a situação avaliada pelo GEASE para determinação das medidas a serem tomadas. 

A Agência esclarece ainda que as ações de fiscalização do trânsito foram intensificadas nos Postos de Vigilância Agropecuária da ADAPI localizadas nas fronteiras do Estado, bem como em fiscalizações volantes realizadas dentro do Piauí.  Por isso, solicitamos a compreensão dos produtores e criadores do Piauí no sentido de que só adquiram animais que adentrem no território estadual pelos corredores oficiais estabelecidos em portaria e portando os documentos zoossanitários exigidos pela legislação, para a própria segurança dos rebanhos e com o intuito de evitar a circulação e disseminação do vírus no restante do Estado. 

A ADAPI reafirma seu compromisso e obrigação de elaborar, coordenar e executar a política de Defesa Agropecuária no Estado do Piauí, realizando seu trabalho sempre de forma responsável e primando pelo desenvolvimento econômico do setor primário piauiense.