1. Editorias
  2. Geral
  3. Homem que acusa Arimatéia Azevedo de extorsão nunca esteve com o jornalista
Publicidade

Homem que acusa Arimatéia Azevedo de extorsão nunca esteve com o jornalista

Colunista do Portal AZ encontra-se preso na penitenciária Irmão Guido

O jornalista Arimatéia Azevedo, preso sob acusação de extorsão, nunca manteve contato com a pessoa que o acusa de tal crime, seja presencialmente, seja por qualquer meio de mensagem ou mídia.

Jornalista Arimatéia Azevedo encontra-se preso na penitenciária Irmão Guido (Foto: Portal AZ)

Essa informação está no inquérito em que o juiz acata todas as ilações do delegado como verdadeiras, e, com base num rosário de argumentações insustentáveis, decretou a prisão preventiva do jornalista.

Na notícia-crime contra o jornalista, informa-se que, juntamente com o advogado Rony Samuel, Arimatéia Azevedo estaria extorquindo o denunciante, Thiago Gomes Duarte. Mas é o próprio denunciante, no âmbito do inquérito secreto, que, com suas palavras, desmonta a possibilidade de o jornalista tê-lo extorquido.

Diz Duarte que não tem conhecimento sobre se haveria uma relação prévia entre o advogado e o jornalista. Também disse que nunca teve relacionamento com eles. Ou seja, informa extorsão contra o jornalista Arimatéia Azevedo sem nunca ter estado com o denunciado.

Se Duarte não sabia dessa relação, tampouco a autoridade policial sabia, mas criou um meio de prova ao colocar no inquérito essa vinculação por meio de fac-símile (prints) de terceiros.

Desse modo, a defesa entende que não há trecho da investigação que comprove a relação, ligação ou comprovação de efetiva influência de Rony Samuel na publicação dos conteúdos.

Matérias relacionadas sobre o caso:

Advogado destaca falta de provas em prisão de Arimatéia Azevedo: “um absurdo jurídico”
Processo não aponta ligação do jornalista Arimatéia Azevedo ao suposto crime de extorsão

O jornalista Arimatéia Azevedo, preso sob acusação de extorsão, nunca manteve contato com a pessoa que o acusa de tal crime, seja presencialmente, seja por qualquer meio de mensagem ou mídia.

Jornalista Arimatéia Azevedo encontra-se preso na penitenciária Irmão Guido (Foto: Portal AZ)

Essa informação está no inquérito em que o juiz acata todas as ilações do delegado como verdadeiras, e, com base num rosário de argumentações insustentáveis, decretou a prisão preventiva do jornalista.

Na notícia-crime contra o jornalista, informa-se que, juntamente com o advogado Rony Samuel, Arimatéia Azevedo estaria extorquindo o denunciante, Thiago Gomes Duarte. Mas é o próprio denunciante, no âmbito do inquérito secreto, que, com suas palavras, desmonta a possibilidade de o jornalista tê-lo extorquido.

Diz Duarte que não tem conhecimento sobre se haveria uma relação prévia entre o advogado e o jornalista. Também disse que nunca teve relacionamento com eles. Ou seja, informa extorsão contra o jornalista Arimatéia Azevedo sem nunca ter estado com o denunciado.

Se Duarte não sabia dessa relação, tampouco a autoridade policial sabia, mas criou um meio de prova ao colocar no inquérito essa vinculação por meio de fac-símile (prints) de terceiros.

Desse modo, a defesa entende que não há trecho da investigação que comprove a relação, ligação ou comprovação de efetiva influência de Rony Samuel na publicação dos conteúdos.

Matérias relacionadas sobre o caso:

Advogado destaca falta de provas em prisão de Arimatéia Azevedo: “um absurdo jurídico”
Processo não aponta ligação do jornalista Arimatéia Azevedo ao suposto crime de extorsão