1. Editorias
  2. Justiça
  3. Ministério Público investiga irregularidades em transporte escolar
Publicidade

Ministério Público investiga irregularidades em transporte escolar

A irregularidade estaria causando superlotação dos transportes e desistência dos alunos de estudar

O Ministério Público do Piauí (MPPI) irá investigar a falta de transporte escolar na rede estadual no município de Cocal. Segundo denúncia, a carência do serviço seria em docorrência da falta de pagamento dos motoristas terceirizados. Apenas sete veículos continuam funcionando.

MP instaura procedimento para investigar irregulares em transporte escolar (Foto: divulgação)

De acordo com o MPPI, a irregularidade estaria causando superlotação dos transportes e desistência dos alunos de estudar, prejudicando a conclusão do ano letivo. Isto porque a quantidade insuficiente de veículos não oferece cobertura de todas as regiões do município, prejudicando cerca de 30% dos estudantes matriculados na rede.

O promotor de Justiça participou da apreensão de um ônibus no município de Cocal (Foto: divulgação / MPPI)

O Promotor de Justiça Francisco Túlio Ciarlini Mendes solicitou a notificação do supervisor municipal de Educação do Estado, Flávio Márcio Cardoso de Brito, e da representante da empresa terceirizadora do serviço, Fátima Costa. Eles deverão informar as providências adotadas para solucionar a situação junto à 1ª Gerência Regional de Educação (GRE) ou à Secretaria de Estado da Educação do Piauí (SEDUC-PI).

O promotor de Justiça participou da apreensão de um ônibus que estava em desacordo com as normas do Código Brasileiro de Trânsito. 

Assista ao vídeo abaixo:

O Ministério Público do Piauí (MPPI) irá investigar a falta de transporte escolar na rede estadual no município de Cocal. Segundo denúncia, a carência do serviço seria em docorrência da falta de pagamento dos motoristas terceirizados. Apenas sete veículos continuam funcionando.

MP instaura procedimento para investigar irregulares em transporte escolar (Foto: divulgação)

De acordo com o MPPI, a irregularidade estaria causando superlotação dos transportes e desistência dos alunos de estudar, prejudicando a conclusão do ano letivo. Isto porque a quantidade insuficiente de veículos não oferece cobertura de todas as regiões do município, prejudicando cerca de 30% dos estudantes matriculados na rede.

O promotor de Justiça participou da apreensão de um ônibus no município de Cocal (Foto: divulgação / MPPI)

O Promotor de Justiça Francisco Túlio Ciarlini Mendes solicitou a notificação do supervisor municipal de Educação do Estado, Flávio Márcio Cardoso de Brito, e da representante da empresa terceirizadora do serviço, Fátima Costa. Eles deverão informar as providências adotadas para solucionar a situação junto à 1ª Gerência Regional de Educação (GRE) ou à Secretaria de Estado da Educação do Piauí (SEDUC-PI).

O promotor de Justiça participou da apreensão de um ônibus que estava em desacordo com as normas do Código Brasileiro de Trânsito. 

Assista ao vídeo abaixo: