1. Colunas
  2. Cine Vício
  3. Filme do Queen é sensacional
Publicidade

Filme do Queen é sensacional

Se fosse o Sacha Baron fazendo Freddie Mercury, os bolsominions que vaiaram o filme Bohemian Rhapsody (EUA, 18) por ter apenas dois beijos homoafetivos, iriam até matar Sacha. Porque as aventuras sexuais de Mercury no RJ tem até um banho, ah deixa para lá.

Vamos falar do filme que continua em cartaz em THE e que conta a vida do vocalista do Queen. Com alguns defeitos, mas mais acertos, o petardo mostra a história do imigrante indiano que transformou a banda Smile num grande acerto misturando rock, ópera e nos anos 80, uma grande banda comercial agora batizada de Queen.  Engraçado, que nunca fui fã, mas o vocal de Mercury é algo de sensacional. E é impressionante o fato de que os quatro atores que fazem o grupo imitarem fantasticamente seus homenageados. Produzido com mão de ferro por Roger Taylor e Brian May (Deacon há anos se afastou da banda) o filme só peca pela caretice em não se aprofundar nas questões relativas à AIDS do vocal e outros escândalos.

Mas sei lá, tamos ali pra se divertir e isso o filme se garante com execuções perfeitas de Bohemian ( a música mais bela da banda) I Want to Break Free e o final perfeito com 20 minutos reimaginados do Live Aid em 1985.

Enfim, um filme pra cima e de muita energia. O egipcio-americano Rami Malek pode até não ganhar o famigerado oscar rmas sua interpretação impressiona..

Se fosse o Sacha Baron fazendo Freddie Mercury, os bolsominions que vaiaram o filme Bohemian Rhapsody (EUA, 18) por ter apenas dois beijos homoafetivos, iriam até matar Sacha. Porque as aventuras sexuais de Mercury no RJ tem até um banho, ah deixa para lá.

Vamos falar do filme que continua em cartaz em THE e que conta a vida do vocalista do Queen. Com alguns defeitos, mas mais acertos, o petardo mostra a história do imigrante indiano que transformou a banda Smile num grande acerto misturando rock, ópera e nos anos 80, uma grande banda comercial agora batizada de Queen.  Engraçado, que nunca fui fã, mas o vocal de Mercury é algo de sensacional. E é impressionante o fato de que os quatro atores que fazem o grupo imitarem fantasticamente seus homenageados. Produzido com mão de ferro por Roger Taylor e Brian May (Deacon há anos se afastou da banda) o filme só peca pela caretice em não se aprofundar nas questões relativas à AIDS do vocal e outros escândalos.

Mas sei lá, tamos ali pra se divertir e isso o filme se garante com execuções perfeitas de Bohemian ( a música mais bela da banda) I Want to Break Free e o final perfeito com 20 minutos reimaginados do Live Aid em 1985.

Enfim, um filme pra cima e de muita energia. O egipcio-americano Rami Malek pode até não ganhar o famigerado oscar rmas sua interpretação impressiona..

Evento de skate acontece neste sábado em Piripiri Filme mostra início do Planet Hemp