1. Colunas
  2. Cine Vício
  3. Doc registra a força do metal teresinense
Publicidade

Doc registra a força do metal teresinense

 Ainda feliz com Aridez - Metal muito Além do Fim do Mundo (Piauí, 2017) do piauiense Erick Miranda. Nada excepcional, nada do outro mundo, mas uma obra bem feita, concisa de um tema que adoro que é heavy metal e suas variações na nossa Teresina.

Cheguei Aqui em 1990, mas o vírus do ritmo só me pegou em 1991 e nunca mais larguei, apear de estar relapso, só fui ver agora (foi lançado em 2017) esse doc preciso. Através de dezenas de depoimentos de todos os alicerces do metal em nossa cidade: Ico (Vênus), Kasbafy (mega), Marcelo alelaf (Scud), Eduardo (Monasterium), Valter (scrock, de Timon), Wiliiam Rosdam (Avalon), Binha (Vênus), Mike (Megahertz), Thyrso (Vênus, Scud),  fãs e tantos outros, o doc traça um perfil recheado de cenas de shows, capas de disco, fotos, vídeos, depoimentos e recortes de jornais (deve ter muita coisa escrita por mim ali) desses 36 anos de música brutal feita no nosso Piauí.

Escrita a maioria em inglês e lutando pra sobreviver de música, esses headbangers da caatinga fizeram muito pela nossa cultura e o final, poético é muito massa - "A gente só quer tocar toda semana", dizem vários deles.

No final, meu doc de 1998 ( feita para o bloco de TV)  na UFPI- Universidade Federal do Piauí,  fecha esse registro dessas épocas, Eduardo manda ver no recado - "esse doc é pra promover o metal do Piauí. Valeu, erick, foi massa.

 Ainda feliz com Aridez - Metal muito Além do Fim do Mundo (Piauí, 2017) do piauiense Erick Miranda. Nada excepcional, nada do outro mundo, mas uma obra bem feita, concisa de um tema que adoro que é heavy metal e suas variações na nossa Teresina.

Cheguei Aqui em 1990, mas o vírus do ritmo só me pegou em 1991 e nunca mais larguei, apear de estar relapso, só fui ver agora (foi lançado em 2017) esse doc preciso. Através de dezenas de depoimentos de todos os alicerces do metal em nossa cidade: Ico (Vênus), Kasbafy (mega), Marcelo alelaf (Scud), Eduardo (Monasterium), Valter (scrock, de Timon), Wiliiam Rosdam (Avalon), Binha (Vênus), Mike (Megahertz), Thyrso (Vênus, Scud),  fãs e tantos outros, o doc traça um perfil recheado de cenas de shows, capas de disco, fotos, vídeos, depoimentos e recortes de jornais (deve ter muita coisa escrita por mim ali) desses 36 anos de música brutal feita no nosso Piauí.

Escrita a maioria em inglês e lutando pra sobreviver de música, esses headbangers da caatinga fizeram muito pela nossa cultura e o final, poético é muito massa - "A gente só quer tocar toda semana", dizem vários deles.

No final, meu doc de 1998 ( feita para o bloco de TV)  na UFPI- Universidade Federal do Piauí,  fecha esse registro dessas épocas, Eduardo manda ver no recado - "esse doc é pra promover o metal do Piauí. Valeu, erick, foi massa.

Evento de skate acontece neste sábado em Piripiri A Klan segundo Spike Lee